Exército da Nigéria usou munição letal contra manifestantes em "massacre" de Lagos, diz relatório

·1 min de leitura
Funcionários limpam pedágio de Lagos onde militares dispararam contra manifestantes

Por Libby George

LAGOS (Reuters) - O Exército da Nigéria usou munição letal contra manifestantes pacíficos em um pedágio de Lagos em outubro de 2020, de acordo com um relatório vazado do incidente visto pela Reuters e verificado por três fontes próximas do conselho que o elaborou.

O relatório descreveu o incidente como um "massacre", disse que a maioria dos soldados do Exército enviados ao pedágio de Lekki "não estavam aptos e preparados para servir" e recomendou processar certos policiais por suas ações.

"No pedágio de Lekki, soldados do Exército nigeriano balearam, feriram e mataram manifestantes desarmados, impotentes e indefesos, sem provocação ou justificativa, enquanto estes estavam acenando com a bandeira nigeriana e cantando o hino nacional, e a maneira do ataque e da matança poderia ser descrita no contexto como um massacre", disse o relatório.

Porta-vozes dos militares, da polícia e do governo de Lagos não responderam de imediato a pedidos de comentário. Tanto os militares quanto a polícia já haviam negado ter usado munição letal.

O incidente encerrou semanas de protestos de âmbito nacional contra a brutalidade policial e desencadeou os piores tumultos civis na Nigéria desde a volta do controle civil em 1999.

Na sequência, grupos de direitos humanos acusaram forças de segurança de acobertamento e descreveram um padrão de intimidação dos participantes dos protestos, inclusive ameaças, detenções e congelamento de bens.

(Reportagem adicional de Fikayo Owoeye em Lagos e Camillus Eboh em Abuja)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos