Exército de Israel mata palestino em protesto, segundo autoridades palestinas

·1 minuto de leitura
Manifestante palestino atira pedras por trás de uma barricada de pneus queimados durante enfrentamentos com as forças de segurança de Israel em Beita, na Cisjordânia, em 24 de setembro de 2021 (AFP/JAAFAR ASHTIYEH)

Militares do Exército israelense mataram um palestino nesta sexta-feira (24), durante enfrentamentos que ocorreram em paralelo a uma manifestação no norte da Cisjordânia ocupada, informou o Ministério da Saúde da Palestina.

Em comunicado, a pasta anunciou a morte "de um cidadão atingido na cabeça por disparos de arma de fogo" das forças de segurança israelenses em Beita.

Essa pequena cidade se tornou foco de atenção nos últimos meses na Cisjordânia ocupada, onde os moradores locais organizam manifestações semanais contra a colonização israelense, e que costumam derivar em confrontos com o Exército de Israel.

A vítima foi identificada como Mohammed Ali Khabisa, de 27 anos, segundo confirmou seu primo Abed à AFP.

Mohammed foi levado em estado grave para o hospital An Najah, na cidade de Naplusa, no norte do território, onde morreu, de acordo com o Ministério da Saúde palestino.

Além disso, oito pessoas ficaram feridas durante a manifestação em Beita por disparos de balas de borracha das forças de segurança israelenses, segundo a agência de notícias oficial da Palestina, Wafa.

Questionadas pela AFP, as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) não quiseram comentar essas informações até o momento.

Os moradores de Beita realizam protestos desde maio contra a instalação de um assentamento não autorizado por Israel próximo da cidade, e prometeram continuar mobilizados enquanto o Exército israelense permanecer no local.

No total, cerca de 475 mil colonos israelenses estão assentados na Cisjordânia, que também é lar de 2,8 milhões de palestinos.

he/cgo/vl/eg/jvb/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos