Exército de Israel prende últimos dois palestinos foragidos da prisão

·3 minuto de leitura
Um membro das forças de segurança israelenses monta guarda na prisão de Gilboa, no norte de Israel (AFP/Ahmad GHARABLI)

Quase duas semanas depois da grande fuga de seis prisioneiros palestinos de uma prisão de alta segurança de Israel, os últimos dois foragidos foram detidos na Cisjordânia em uma operação das forças de segurança de Israel.

Os seis palestinos, detidos por atos violentos contra Israel, fugiram em 6 de setembro da prisão de alta segurança de Gilboa, no norte israelense, por um túnel que escavaram com uma colher.

A fuga os transformou em heróis para os palestinos e grande parte do mundo árabe, enquanto se tornaram os homens mais procurados por Israel, que enviou reforços militares e usou drones para localizá-los.

No fim de semana depois da fuga impressionante, as forças israelenses detiveram quatro deles em Nazaré, a principal cidade árabe no norte de Israel.

Na manhã de domingo, o exército anunciou, em um breve comunicado, a captura dos dois últimos em uma operação em Jenin, no norte da Cisjordânia.

Os detidos restantes são Ayham Kamamji, de 35 anos, e Munadel Infeiat, de 26, ambos integrantes da Jihad Islâmica e que foram capturados em uma operação conjunta com as unidades especiais anti-terroristas.

Os dois homens "estão sendo interrogados", acrescentou o comunicado do exército, sem dar mais detalhes da captura.

Procedente de Kafr Dan, perto de Jenin, Ayman Kamamji foi detido em 2006 e condenado à prisão perpétua pelo sequestro e assassinato de Eliahou Ashéri, um jovem colono israelense.

Munadel Infeiat foi detido em 2020, segundo a Jihad Islâmica, e aguardava sua sentença, depois de ser preso pelas suas atividades como integrante do movimento armado.

Entre os primeiros detidos estavam Mahmud Ardah, também membro da Jihad Islâmica e considerado o cérebro da fuga, e Zakaria al Zubeidi, um ex-chefe do braço armado do partido Fatah no acampamento palestino de Jenin, bastião da rebelião armada.

"Terminado e feito", escreveu no Twitter o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett. "Os seis terroristas foram capturados e devolvidos à prisão, em uma operação impressionante, sofisticada e rápida".

"Gostaria de agradecer às forças de segurança que trabalharam dia e noite, também nos sábados e feriados, para encerrar o evento", acrescentou Bennett.

O tribunal de Nazaré prorrogou por mais dez dias a detenção dos primeiros quatro prisioneiros, de acordo com um comunicado policial.

Até o momento, não foi informado em qual prisão os seis homens estão detidos.

O movimento palestino islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, afirmou em um comunicado que "a decisão dos dois (últimos) prisioneiros não cobriria a magnitude de uma vitória, que colocou seu inimigo em seu lugar natural de fantoche ridículo".

A Jihad Islâmica alertou que "a luta contra o inimigo vai continuar".

Os prisioneiros palestinos começaram a escavar o túnel na prisão em dezembro de 2020, disseram à AFP os advogados de dois dos fugitivos.

Eles usaram colheres, pratos e inclusive a alça de uma chaleira para abrir o túnel, disse o advogado Raslan Mahajana, afirmando que Ardah foi o artífice da operação.

Nas redes sociais, a colher se impôs como um novo símbolo da liberdade para os palestinos, que tiram fotos com o utensílio na mão em frente a bandeiras palestinas.

gl/am/mas/ag/es/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos