Exército israelense mata palestino após tentativa de ataque na Cisjordânia

·1 minuto de leitura
Membros das forças de segurança israelenses transportam o corpo de um palestino morto perto do assentamento israelense de Gosh Etzion, na Cisjordânia, em 31 de janeiro de 2021

O Exército israelense matou, neste domingo (31), um palestino durante uma tentativa de ataque com faca contra soldados na área de Gush Etzion, um bloco de assentamentos entre Jerusalém e Belém, no sul da Cisjordânia ocupada.

Inicialmente, o Exército relatou "uma tentativa de ataque com faca no cruzamento de Gush Etzion", ao sul de Belém, observando que o atacante havia sido "neutralizado", segundo um comunicado.

Questionado pela AFP, o Exército israelense explicou que o agressor, um palestino, "estava morto".

Um segundo comunicado do Exército detalhou que o "atacante, armado com três facas presas a uma vara (...) tentou esfaquear soldados" que estavam na passagem. Os militares abriram fogo.

Nenhum soldado ficou ferido.

Em um vídeo postado no site do maior jornal israelense, o Yediot Aharonot, um homem é visto tirando um objeto do bolso e correndo em direção aos soldados em um ponto de ônibus. Então, um soldado é visto apontando para o homem, que cai no chão.

A Cisjordânia é um território palestino ocupado por Israel desde 1967. Cerca de 2,8 milhões de palestinos vivem lá, enquanto mais de 450.000 israelenses residem em assentamentos, considerados ilegais pelo direito internacional.

Ataques anti-Israel têm ocorrido com frequência em Israel e na Cisjordânia ocupada, desde outubro de 2015, na maioria das vezes com facas por jovens palestinos isolados, às vezes também na forma de atropelamentos e, em menor medida, com armas de fogo.

alv/feb/es/pc/mr