Ex-alto funcionário maltês é acusado de corrupção em caso conectado a assassinato de jornalista

·1 minuto de leitura
A morte da jornalista Caruana Galizia em um atentado com carro-bomba em 2017 gerou tristeza e raiva em Malta

Keith Schembri, que foi chefe de gabinete de Joseph Muscat, ex-primeiro-ministro de Malta, foi acusado neste sábado (20) de lavagem de dinheiro, corrupção, fraude e falsificação, em um caso que tem ligações com o assassinato de uma jornalista em 2017 que indignou o país.

Schembri se declarou inocente perante o juiz. A polícia maltesa indicou que faltam ainda 11 pessoas comparecerem perante o juiz pelo mesmo caso, e que 20 empresas estão envolvidas no escândalo.

Schembri foi acusado pela jornalista investigativa Daphne Caruana Galizia de estar envolvido em uma grande rede de corrupção em torno de seu chefe, Muscat.

Galizia foi morta em um ataque com carro-bomba em 16 de outubro de 2017, aos 53 anos. A fundação que leva seu nome declarou que essas acusações formais "demoraram demais".

Muscat renunciou em janeiro de 2020 após protestos massivos pela investigação do caso.

O principal suspeito no assassinato da repórter, o empresário Yorgen Fenech, já havia mencionado Schembri diretamente. O ex-chefe de gabinete foi preso em setembro de 2020 e teve seus bens confiscados, no âmbito de uma investigação sobre a suposta venda de passaportes de Malta a estrangeiros ricos.

str-ar/jz/eg/ic