Ex-atleta Seiko Hashimoto é a nova chefe da organização dos Jogos de Tóquio

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Seiko Hashimoto, 56, ex-atleta que competiu em sete Olimpíadas, foi escolhida nesta quinta-feira (18) como nova presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio. Ela substitui Yoshiro Mori, que renunciou após ser amplamente criticado por comentários sexistas feitos no início do mês. Mori, 83, ex-primeiro-ministro do Japão, deixou o cargo na semana passada, depois de dizer que mulheres que ocupam cargos executivos falam demais e atrapalham reuniões. Foi um novo golpe para um evento já marcado por um atraso de um ano devido à pandemia do coronavírus e que passou a enfrentar forte oposição da opinião pública japonesa. Hashimoto, que era ministra da Olimpíada, teve sua chegada ao novo cargo confirmada pouco depois de apresentar sua renúncia do gabinete ministerial ao primeiro-ministro Yoshihide Suga, que a encorajou a assumir a presidência do comitê. A nova líder da Tóquio-2020 enfrenta uma série de desafios, incluindo assumir o comando de um dos maiores eventos esportivos do mundo faltando menos de meio ano para o seu início, bem como garantir que atletas e demais envolvidos nos Jogos estejam protegidos contra o coronavírus. "Como parte do comitê organizador, irei acelerar ainda mais os esforços para construir uma estrutura de colaboração com o governo nacional e o governo metropolitano de Tóquio para convencer a todos, tanto no Japão como em todo o mundo, que Tóquio-2020 são 'os Jogos seguros e protegidos'", ela afirmou. Nascida dias antes de Japão sediar a Olimpíada de 1964, Hashimoto participou de quatro Jogos Olímpicos de Inverno como patinadora e de três Jogos Olímpicos de Verão como ciclista. Representate do partido governante do Japão, Hashimoto serviu como ministra da Olimpíada, acumulando também o cargo de ministra para o empoderamento das mulheres, desde 2019 até esta quinta-feira. "Minha nomeação como presidente é importante para a igualdade de gênero", disse a dirigente, ressaltando que foi decidido aumentar a proporção de mulheres no conselho de diretores e criar uma equipe para promover esse tema. "Acho que temos que trabalhar nisso rapidamente. É importante formar grupos de trabalho e produzir resultados dentro de um mês." Suga deverá nomear Tamayo Marukawa, ex-apresentadora de televisão e parlamentar do partido governista, para o cargo de ministra da Olimpíada. Marukawa, 50, já havia passado por essa pasta anteriormente, por cerca de um ano.