Ex-BBB Ana Clara celebra a realização do sonho do ‘programa próprio’ e ganha elogios de Tiago Leifert e Fátima Bernardes

Naiara Andrade
·14 minuto de leitura

“Essa menina tá merecendo mais espaço, tá dominando”. Imagina receber um elogio assim do seu patrão, em rede mundial! Ana Clara Lima tinha brilhado em mais um “Bate-papo BBB”, do Globoplay, naquela terça-feira, 17 de março — em que o rapper Projota deixou o “Big Brother Brasil 21” —, quando leu o tuíte do diretor Boninho. “Hehehe chefeeee, 3h da manhã você me manda uma dessaaaas???? Como eu durmo agora?! Obrigadaaaa”, respondeu ela, exaltada na mesma postagem por milhares de seguidores do mandachuva da Globo. Menos de 20 dias depois, a carioca de 24 anos ganhava um programa no canal, diário, para chamar de seu: o “Plantão BBB”.

— Sempre que me perguntavam qual era o meu sonho profissional, eu dizia: “Ter um programa só meu, com liberdade de criação”. Mas jamais imaginei que seria tão rápido! É um privilégio enorme o que estou vivendo agora. Acho que todas as experiências por que passei, como fazer as transmissões do Rock in Rio (para o Multishow) e o período no “Vídeo show”, me prepararam para este momento atual. Ele chegou do nada, e se eu não estivesse pronta, ia lascar tudo (risos) — analisa.

Inteiramente dedicada ao “trabalho que também é lazer”, a apresentadora não tem tido longas noites de sono, tampouco descanso.

— Antes do “Bate-papo” com o eliminado, eu fazia os flashes na programação, participava da “Mesa BBB”... Já era uma rotina puxada. Agora, é ainda mais. O “Big Brother” está no ar durante 24 horas. Tento acompanhar ao máximo, durmo só seis ou sete horas por noite, mas é bem gratificante. Para além do trabalho, assisto porque amo — afirma Ana Clara, alçada à fama na 18ª edição do reality show como uma das concorrentes ao almejado prêmio de R$ 1,5 milhão.

Leia mais:

Diretor-geral do “BBB” e do “Plantão BBB”, Rodrigo Dourado foi quem ligou para a ruiva anunciando a boa-nova de sua, digamos, promoção. Segundo ele, a estrela de Ana Clara brilhou desde as seletivas para participar da atração, há três anos:

— Com muita espontaneidade e desenvoltura, ela tomou conta da entrevista, contando histórias engraçadas do dia a dia daquela família e se mostrando muito à vontade diante das câmeras e de uma banca de entrevistadores. Sua passagem pelo reality não decepcionou. Ana foi protagonista e chamou atenção de todos. Ficou claro que precisava ficar entre nós. Ela é estudiosa e interessada, sempre muito dedicada às oportunidades que apareceram. Parece ter sido, definitivamente, acolhida pelo público.

Tiago Leifert também se impressionou com o desembaraço da atual colega de trabalho na época em que ela era uma participante do reality.

— Quando terminou a temporada e nos encontramos na festa após a final, eu brinquei: “Passa no RH amanhã, hein!” — lembra o apresentador, destacando os predicados da amiga, com quem troca, constantemente, impressões sobre o “Big Brother”: — Ela tem muita segurança e naturalidade nos programas ao vivo, duas características indispensáveis, porém raras. Fora isso, para lidar com os assuntos do “BBB”, é preciso ter muita frieza e não cair na pilha das torcidas. Ana Clara, por ter sido uma participante, sabe exatamente como conversar com os brothers.

Leia mais:

Do Big Boss, fora o festejado elogio no Twitter, a pupila garante nunca ter levado bronca.

— Ainda bem, senão eu me borraria toda (risos). Mas a gente recebe críticas construtivas; por isso, evolui. Ele já falou no meu ponto (eletrônico, no ouvido), mas foi me tranquilizando. Foi bom, até — conta Ana Clara, que cometeu sua primeira gafe no vespertino há pouco mais de uma semana, ao cantar e dançar o trecho de um hit de Anitta e Marília Mendonça para anunciar Simone e Simaria como a atração da vez da festa do “BBB 21”, como se a música fosse das irmãs.

Os desafios são muitos, em qualquer dia ou horário. Nas terças-feiras à noite, a missão é entrevistar os participantes recém-eliminados do reality, alguns com recordes de rejeição — como a cantora Karol Conká (99,17%) e o comediante Nego Di (98,76%). E a jovem vem se mostrando segura em suas análises e conduzindo as conversas com doses equilibradas de firmeza e sensibilidade. Para isso, ela diz ter uma musa inspiradora:

— Desde criança, eu falava que queria ser igual a Fátima Bernardes. E eu acho ela sensacional, ímpar, sensata, sensível, incrível! Quando ingressei na faculdade de Jornalismo, dois anos antes de participar do programa, não imaginava o que me aconteceria, mas eu já mirava no audiovisual. Trabalhar com comunicação em televisão sempre foi a minha meta.

Leia mais:

A jornalista e apresentadora do “Encontro” se mostra feliz por ser citada pela novata. E exalta:

— Ana Clara é muito espontânea! A gente sente que ela gosta do que faz, faz com alegria. E tem um aspecto importantíssimo: sabe do que está falando porque viveu aquilo lá. Isso imprime verdade. Eu acho que ela está num caminho ótimo. A ideia é exatamente essa: gostar do que faz, fazer com alegria e se preparar para o conteúdo que vai ter que ser abordado.

A cada “Bate-papo BBB”, a revelação da porcentagem recorde de votos recebida por Karol, o número expressivo de seguidores que os recém-eliminados atingiram no Instagram e os imbróglios ainda desconhecidos por eles são de cair o queixo dos entrevistados. Mas a intenção não é causar qualquer tipo de constrangimento, ainda que muitos espectadores enxerguem em Ana Clara um instrumento para expurgar sua antipatia por determinados brothers e sisters.

— As pessoas perdem a noção! Pedem para eu falar umas coisas que, em sã consciência, ninguém falaria. Ainda mais ao vivo! A gente sempre presenteia os eliminados, né? Já me sugeriram, por exemplo, entregar um dicionário para a Thaís (a cirurgiã-dentista Thaís Braz, que deixou o reality no último dia 13, foi muito criticada pelo vocabulário limitado a expressões como “tipo assim”). Nada legal — opina, acrescentando: — Não gosto que me peçam para “bater” em ninguém. Acho até contraditório uma pessoa não curtir um participante que foi mau ou humilhou alguém e pedir para eu fazer o mesmo com ele. Entendo que o “Big Brother” mexa com os sentimentos, é um envolvimento muito profundo, mas tem coisa que não dá.

Assim que deixou o confinamento, há três anos, Ana Clara conta que também a colocaram no “paredão”. Do lado de cá, ela foi alvo de perguntas difíceis de responder...

— Meus amigos queriam saber tudo o que rolava nos bastidores, mas eu não podia e não posso contar. É complicado segurar os segredos do programa por tanto tempo, mas até hoje guardo a sete chaves. Pra mim, o contrato é vitalício. Nunca falei nada, nada, pra ninguém. Nem sobre o pré-confinamento — garante.

Leia mais:

Para quem não se lembra, ainda nos primeiros dias de “BBB 18”, o público precisou escolher somente dois dos quatro membros da Família Lima que permaneceriam no programa — entre o pai Ayrton, a mãe Eva, a filha Ana Clara e o sobrinho Jorge. Na companhia de seu “Papito” dentro da casa mais vigiada do Brasil, a moça fez história. Até hoje, é dela — e de Kaysar Dadour, com quem empatou, já que a disputa foi encerrada pela direção em prol da saúde dos candidatos — o recorde de prova de resistência de maior duração do “BBB”: foram quase 43 horas em pé, sem poder ir ao banheiro nem comer ou beber nada, para ganhar um carro zero quilômetro e a imunidade da vez. Pai e filha também suscitaram polêmica junto aos telespectadores mais conservadores por se cumprimentarem com beijinhos na boca.

— Entendo que cada família tenha os seus costumes, seu jeito de conviver. Mas é muito grave acusar alguém de pedofilia, falar que um pai abusa de uma filha por causa de um gesto de carinho. Isso tomou tamanha proporção aqui fora, que o Tiago (Leifert, apresentador) acabou abordando o assunto com a gente lá, ao vivo, com o público assistindo. Quando precisamos nos explicar, entendemos o rebuliço — lembra Ana Clara: — Até hoje tem gente que sustenta essa história, diz que minha relação com meu pai era estranha. A gente se assustou, sim, mas nada mudou na nossa convivência. Eu cresci assim, com avó, tios e primos, todos se cumprimentando com selinhos.

Em maio do ano passado, os fãs dos Lima foram surpreendidos com a notícia do fim do casamento de 30 anos entre Ayrton e Eva. Ela mesma usou sua rede social para fazer o comunicado: “Estamos separados desde dezembro, foi uma decisão minha. Nós estávamos olhando para direções opostas, fica muito difícil manter um relacionamento quando cada um tem um objetivo. Resolvi falar agora em respeito às pessoas que são muito carinhosas, que sempre torceram pela família. Espero que não fiquem chateados”.

— Não sei se a exposição prejudicou a relação dos dois, só eles podem dizer. Mas eu lidei bem com a separação. Não sou muito emotiva, costumo ser prática na vida, com tudo. As pessoas geralmente sofrem muito com algo assim, eu encaro os problemas mais racionalmente — afirma Ana Clara, que está morando com a mãe: — Sempre vejo o meu pai em ligações por vídeo, a gente sai pra almoçar junto. Meu cachorro tem a guarda compartilhada, então estamos sempre nos encontrando. Procuro um apartamento só para mim, mas a pandemia tem dificultado tudo. Não dá pra ficar visitando imóveis nas condições atuais. Morar sozinha é um sonho que precisei adiar um pouco mais.

Embora tenha ficado em terceiro lugar no “BBB 18”, a Pimenta da edição confirma já ter conquistado seu milhão aqui fora. Além do carro da inesquecível prova de resistência, dos R$ 20 mil em barras de ouro recebidos de um dos patrocinadores da atração e dos R$ 50 mil pela colocação no pódio do reality, ela cativou a amizade da acreana Gleici Damasceno, campeã na ocasião, e a simpatia do público do programa que é febre nacional, ano após ano. O chamado “cancelamento”, termo tão comentado pelos concorrentes deste “BBB 21”, ela afirma não ter temido, mesmo com a grande exposição a que se dispôs.

— Eu não tinha entendimento das coisas, ninguém tem, quando entra no programa. Não dá para imaginar o que é sentir na pele a rejeição ou o fanatismo da adoração. A resposta do público pode ser boa demais ou exageradamente ruim. É muita gente, é larga escala, é Brasil, é fora do Brasil, é num nível que ninguém está preparado para receber. Na minha época, eu não pensava que todo mundo ia me ver: o porteiro do prédio, a vizinha, os parentes distantes... — relata: — Quando saí, fui muito bem recebida, senti que as pessoas gostavam de mim. Ainda assim, sempre existe gente desagradável. Todo mundo tem “hater”, um sujeito que não gosta de você. E esse alguém não mede esforços pra te magoar, te humilhar, te fragilizar. É muito difícil lidar com isso. No início, foi muito duro; às vezes, ainda é. Porque a gente é humano, não é feito para aceitar esse tipo de coisa, sabe?

Com frequência, Ana Clara é alfinetada nas redes sociais pelos mais diversos motivos, desde a sua aparência até o jeito de se portar na TV. Mas o que deixa essa ariana ardida, fazendo juz ao apelido que ganhou no reality, são os ataques infundados ao seu trabalho.

— Isso me deixa p... de verdade. Não tem a ver com a crítica consistente, o problema é o falar mal só por falar. Fico profundamente irritada — desabafa.

O acompanhamento psicológico, Ana Clara conta, a ajudou a lidar com os ônus da fama:

— Terapia é importante para todo mundo. As autorreflexões nos enriquecem, nos fazem querer melhorar. Eu mudei muito o meu jeito de uns anos pra cá, desde que apareci na TV pela primeira vez. Amadureci em vários aspectos. Antes, eu era mais explosiva, estressada. Ainda não gosto de perder o controle das coisas, sou um pouco mandona, dependendo da situação. Mas não chego a ser chata com os outros, só comigo mesma.

Cada vez mais autoconfiante diante do espelho, a jovem tem investido na cor vermelha em peças de roupa, acessórios, maquiagem e esmalte, com a ajuda de um personal stylist. Os generosos decotes também têm sido uma constante em seu visual na telinha.

— Eu amo usar decote porque tenho o peito grande. E vermelho eu também adoro! É uma cor chamativa, e eu sempre gostei de ser o centro das atenções. Tem muita gente que trabalha na TV que é tímida, não é o meu caso (risos) — diz.

A jovem revela que, no fim do ano passado, passou por uma cirurgia nos seios.

— Eu tinha vários nódulos que estavam mudando muito o tamanho de um e de outro. Fiz para corrigir essa diferença — explica, contando que também já fez bichectomia para deixar o rosto mais fino: — Foi uma escolha minha. Eu que quis mudar, melhorar. Não tem a ver com a opinião de ninguém a meu respeito, é bom ressaltar.

Leia mais:

Também influenciadora digital de nada menos que 8,6 milhões de seguidores em seu perfil no Instagram, Ana Clara afirma não se deixar impactar negativamente com facilidade quando resolvem criticar seus atributos físicos:

— Só me incomoda quando apontam coisas que eu já não gosto em mim. Podem falar à vontade dos meus pés, por exemplo, não ligo. Acho eles lindos! Mas sei que essa reação nem todo mundo tem, muita gente não consegue não levar esse tipo de coisa para o coração. E isso é sério. A gente vê com frequência pessoas que trabalham com redes sociais cada vez mais viciadas em fazer plásticas e todo tipo de procedimento estético porque, quando são criticadas, não conseguem relevar.

Por falar em “levar para o coração”, por enquanto, a crise sanitária mundial e o trabalho vultoso não têm deixado a moça de cabelos cor de fogo dar um gás em sua vida amorosa.

— Ah, agora com a pandemia tem sido impossível sair para beijar na boca. É dura a vida do solteiro! — lamenta, entregando que se tornar conhecida acabou dando um empurrãozinho nas conquistas: — Quando eu chego nos lugares, o povo já me olha, e eu olho de volta. Pronto. Mas a verdade é que nunca tive problema com a aproximação. Se me interesso por alguém numa festa, eu chego. Porque se ficar esperando virem até mim, vou acabar dormindo (risos).

Leia mais:

É bom que se diga, de antemão, que namoros muito sérios e longos não estão nos planos da musa das tardes da Globo.

— Deus que me defenda! Eu não gosto de nada que me prenda. Canso muito rápido das coisas — confessa a moça, obstinada, no entanto, com sua nova empreitada profissional: — Minha próxima meta é ser uma apresentadora referência. Mas sei que ainda tenho muito a aprender.

PERGUNTAS APIMENTADAS

Com que idade deu seu primeiro beijo?

Com 14. Eu era velha já... Tímida pra isso, demorei.

E quando perdeu a virgindade?

Ah, isso eu não quero responder, não (risos). Minha tia evangélica vai ler e ter um piripaque!

Qual foi o maior tempo que já ficou sem beijar?

Depois que saí do “Big Brother”. Meu Deus, eu fiquei quase um ano, foi muito difícil!

Ficou em abstinência dentro da casa do “BBB”, como Gil e Pocah confessaram estar nesta edição?

Muito! Por isso que eu quis beijar o Breno (Simões). Não foi porque eu estava apaixonada, não. Sempre fui festeira, de sair, beijar, curtir.

Já foi pra baixo do edredom com alguém e depois chorou, como Fiuk?

Não, não (risos).

Qual é a coisa mais estranha que você faz quando está sozinha e sem câmeras em volta?

Eu faço tanta coisa bizarra! Falo muito sozinha no meu carro com pessoas dos outros carros, sem elas saberem. Tipo: “Muito lindo você, hein, parabéns!”. E tenho uns TOCs de lavar o pé antes de dormir, destrancar e trancar a porta...

Manda e recebe nudes?

Nunca na minha vida! Tenho muito medo. Já recebi, mas sem pedir. Mas nunca nem tirei foto nua, tenho pavor!

Já traiu e foi traída?

Digamos que eu já cometi um pequeno delito. Estava ficando com um cara um pouco mais a sério e me esqueci disso por um momento. Não chegou a ser uma traição, foi um vacilo.

Qual é o seu crush famoso?

Ai, o Adam Levine (vocalista e guitarrista da banda Maroon 5). Ele é casado, pega até mal falar. Mas é meu sonho, ele é maravilhoso!

Já ficou com outra mulher?

Já! Foi brincadeira de balada, um beijo normal. Mas minha preferência é por homens. Acho curioso que tem muita mulher que chega em mim nas baladas, acham que sou bi.

Qual é o seu ponto fraco no jogo da sedução?

Sem conhecer a pessoa, me encanto quando é alto e bonito. Conhecendo, quando o cara é descolado, tem um humor inteligente.

Qual foi o lugar mais curioso em que já transou?

Nenhum fora do comum! Nunca entendi como conseguem fazer no banheiro do avião, por exemplo. Com que cara saem de lá depois?