Ex-BBB Dicésar troca trabalho em loja de rua em SP por salão de beleza em Londrina

Extra
·2 minuto de leitura

O ex-BBB Dicésar, que até o ano passado estava se dividindo entre fazer suas performances como a drag queen Dimmy Kieer em boates e trabalhando numa loja de rua em São Paulo, voltou para sua cidade natal, em Londrina, no Paraná. Destaque do “BBB 10”, o maquiador, de 55 anos, está dando expediente agora num salão de beleza da sobrinha, sendo responsável pela parte de estética, fazendo maquiagem, micropigmentação e design de sobrancelhas.

Após encerrar o contrato de um ano com a loja de roupa masculina no Arouche, no Centro de São Paulo, no qual trabalhava como coaching de vendas, Dicérsar optou por ir ficar mais perto da família.

"Estava muto sozinho em São Paulo, e por conta da pandemia, todos os bares e boates que eu trabalhava fecharam, e eu fiquei quase sete meses sem trabalho à noite, só na loja. Aí falei: quer saber, está na hora de comprar uma casa em Londrinha. Vendi o apartamento que eu tinha em São Paulo, comprei uma casa no condomínio aqui e estou feliz da vida perto da família. Quando tem um trabalho bacana, eu volto para São Paulo e ficou no apartamento que eu aluguei lá", conta.

"Se as coisas não dão certo de um jeito, a gente vai para o outro jeito. Mas estou muito bem. Já que não posso sair para lugar nenhum, fico do lado da minha família", disse ele, que faz participações em rádios da sua cidade.

Após a saída do programa, em 2010, Dicésar trabalhou por sete anos como repórter do programa da Eliana e passou por outras emissoras de TV.

"Desisti da TV quando as contas apertaram e parei de fazer parcerias de imagem. E estou trabalhado com vendas desde outubro, numa loja incrível no Arouche, no Centro de São Paulo. Não é vergonha pra ninguém”, contou ele em entrevista ao EXTRA em janeiro de 2020.

Como não está tendo muito trabalho. Televisão estava sendo só uma vitrine. Não tinha salário. E a gente não pode viver disso. A gente tem que ter um emprego de dia. E o meu amigo me ofereceu emprego, salário, uma bonificação, o registro profissional, e na hora eu aceitei. Eu preciso de um emprego de dia, a gente tem que pagar as contas”.