Ex-BBB, políticos e influencers: quem são os golpistas identificados em atos terroristas

Uma série de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que participaram da invasão e da destruição dos prédios do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Palácio do Planalto estão sendo identificados. Entre os que a Polícia Federal já fez o reconhecimento, estão o sobrinho de Bolsonaro, Leo Índio; o ex-BBB Adriano Castro; e o responsável pelo Departamento de Logística do Ministério da Saúde no governo Jair Bolsonaro, o general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes.

'Eles querem golpe. E golpe eles não vão ter': diz Lula a governadores sobre terroristas; acompanhe

Dino: ministro diz que governo do DF mudou plano de última hora e decidiu liberar Esplanada dos Ministérios a bolsonaristas

Sonar: após invasão, posts de bolsonaristas incentivando atos terroristas seguem no ar nas redes

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, já investiga os suspeitos de promoverem os atos golpistas. Com o auxílio da Polícia Federal, serão apuradas as listas de hóspedes em hotéis e pousadas de Brasília, câmeras de segurança e dados de geolocalização. No prazo de 48h, os proprietários de 87 ônibus que trouxeram bolsonaristas até a capital também prestarão depoimento.

Já o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, anunciou a criação de um e-mail para receber denúncias sobre os terroristas.

"Além das investigações que estão em andamento, o Ministério da Justiça e Segurança Pública criou o e-mail *denuncia@mj.gov.br* para receber informações sobre atentados terroristas", afirmou ele Twitter.

Veja abaixo a lista:

Leo Índio, sobrinho de Jair Bolsonaro

Primo e amigo do vereador Carlos Bolsonaro (PL), Leo Índio é filiado ao PL e compartilhou uma imagem no prédio do Congresso, com os olhos vermelhos do gás lacrimogênio disparado pelas autoridades policiais. Nesta manhã, ele alterou a legenda da publicação e disse que as forças de segurança atuaram em cima de "inocentes". "Busquem os verdadeiros vândalos e também os covardes mascarados e fantasiados de patriotas", escreveu. Ele foi candidato a deputado distrital pelo PL em 2022, mas não conseguiu se reeleger.

Tenista Gilbet Klier

Tenista brasileiro suspenso por doping, Gilbet Klier, de 22 anos, esteve nos atos terroristas no Distrito Federal, neste domingo, e compartilhou o momento em uma rede social. O atleta estava acompanhado da namorada, Vitoria Gonçalves. Com a repercussão negativa do caso, Klier apagou o registro e se retratou publicamente, afirmando que não compactua com as ações de bolsonaristas radicais.

Karol Eller, servidora da EBC

Próxima do filho 04 do ex-presidente, Jair Renan, a servidora da EBC e youtuber bolsonarista, Karol Eller, também estava na Praça dos Três Poderes quando ocorreram os atos de terrorismo. Eller, que tem um cargo de confiança desde 2019, fez transmissões ao vivo, enquanto participava das manifestações. Após ser identificada nas manifestações, ela foi exonerada.

Ex-responsável de logística do Ministério da Saúde

Responsável pelo Departamento de Logística do Ministério da Saúde no governo Jair Bolsonaro, o general da reserva Ridauto Lúcio Fernandes participou dos atos terroristas em Brasília. Em um vídeo que circula em grupos de WhatsApp, o militar aparece na frente do Congresso após a Polícia Militar agir para conter os golpistas.

-- Quero dizer que estou arrepiado aqui. O pessoal acabou de travar a batalha do gás lacrimogêneo. Acreditem. A PM jogou gás lacrimogêneo na multidão durante meia hora e agora eles estão aqui na frente e o pessoal está aplaudindo a Polícia Militar. Aplaudindo porque a gente sabe que eles cumpriram ordem, eles estavam aqui para defender patrimônio. A maioria deles é bem intencionado, tem que ser aplaudido sim – disse Ridauto.

Procurado pelo GLOBO, o militar disse que não iria se manifestar sobre sua participação nos atos terroristas.

Vilmar José Fortuna, ex-assessor do Ministério da Defesa

Assessor do Ministério da Defesa entre 2013 e 2022, o capitão reformado da Marinha Vilmar José Fortuna também foi flagrado nos atos e posou em imagem na frente do Congresso.

Juliana Siqueira, influenciadora

Juliana Siqueira é uma influenciadora de direita que teve seu perfil no Instagram derrubado após decisão de Alexandre de Moraes.

Salomão Vieira, cantor gospel e um dos articuladores da invasão golpista

Cotado como um dos principais articuladores e fiador da invasão em Brasília, o cantor evangélico Salomão Vieira de Jesus esteve presente no ato golpista deste domingo e fez transmissões ao vivo pelas redes sociais.

Salomão apareceu em diversos vídeos nas redes sociais convocando bolsonaristas radicais para ação terrorista. Imagens postadas por ele também dão conta de gastos superiores a 10 mil reais, para itens como cobertores para apoiadores que estavam em Brasília.

Adriano Camargo Testoni, coronel da reserva

Coronel da reserva, o militar Adriano Camargo Testoni foi um dos que compareceu ao ato golpista do último domingo, em Brasília. Em um vídeo que é compartilhado nas redes sociais, exaltado, ele ofende generais das Forças Armadas.

— Bando de generais filhas da p***. Vão tudo tomar no c*. Vanguardeiros de merda. Covardes. Olha o que está acontecendo com a gente — diz ele, ao lado de uma mulher que ele identifica como sua mulher. — Esse nossa Exército é uma merda.

Adriano Castro, ex-BBB e artista plástico

Participante da primeira edição do "Big Brother Brasil", Adriano registrou, por meio de um vídeo ao vivo no YouTube com mais de quatro horas de duração, o momento em que ele e outros vândalos invadem e depredam o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. Ele foi considerado o vilão da primeira temporada do "BBB", que foi ao ar na TV Globo em 2002. À época, ele inventou o termo "paredão".

Pâmela Bório, ex-primeira-dama da Paraíba

A ex-primeira-dama da Paraíba Pâmela Bório (PSC) compartilhou vídeos em suas redes sociais ao lado do filho, menor de idade, e outros bolsonalistas invadindo o Congresso Nacional. Ela é ex-esposa do ex-governador Ricardo Coutinho (PT).

Luis Gonzaga Militão, ex-secretário de Divinópolis (MG)

Ex-secretário aadjunto Antidrogas e Direito Humanos entre 2013 e 2014 também participou dos atos. Em 2016, foi candidato à prefeitura de Divinópolis pelo PSDB. Ao contrário do que circula nas redes, ele não é assessor parlamentar do deputado federal Domingos Sávio (PL-MG). A relação entre os dois se restringe a prestação de serviços para divulgação da atividade parlamentar.

Aline Bastos, suplente da Câmara dos Deputados e presidente do PL em Montes Claros

Ferrenha defensora de Bolsonaro nas redes, Aline Bastos obteve 4.693 votos nas eleições do ano passado, alinhada às bandeiras pró-vida, pró-armas e conservadora.

José Ruy, vereador

O vereador de Inhumas, Goiás, José Ruy (PTC) apareceu em um vídeo que viralizou nas redes sociais caminhando e acenando para a câmera enquanto estava na área interna da Praça dos Três Poderes.

Gilson da Autoescola, vereador

Já o vereador de Betim Gilson da Autoescola (Cidadania) levou sua família para os atos no Congresso Nacional e compartilhou um vídeo, deletado após a invasão do Supremo. Nas redes, ele tentou se justificar: "Saí da minha casa na companhia dos meus dois filhos na expectativa de participar de um ato pacífico e democrático. Mas nada disso aconteceu. Não aprovo e nem participo de nenhuma atitude contra a democracia", afirmou.

Zuleica Portes Machado, servidora pública do Sul do Rio

A servidora pública de Paty do Alferes (RJ), Zuleica Portes Machado, foi identificada como uma das bolsonaristas radicais que invadiram o Congresso Nacional. Ela atua como merendeira em uma escola pública, mas mora em Miguel Pereira.

— Gente, tomamos. Estamos aqui. Aqui é Miguel Pereira. A gente fez parte da história do Brasil — disse Zuleica em frente à Praça dos Três Poderes.

Thiago Queiroz, candidato derrotado a deputado estadual e presidente do PL em Patos de Minas (MG)

O presidente do PL de Patos de Minas e ex-canddiato a deputado estadual, Thiago Queiroz, gravou e publicou uma série de vídeos mostrando em Brasília, inclusive no interior do Senado Federal.

— Tomamos o Congresso. Agora é nosso. Nós é que mandamos aqui. Quero ver esse mané, agora. Aqui não tem mané, não — afirma.

Marcos Alexandre Mataveli de Morais, ex-vice-prefeito de Pancas (ES)

Ex-vice-prefeito do PPS esteve na chapa municipal entre 2013 e 2016, também foi flagrado em vídeos que circulam nas redes sociais.

— Invadimos aqui, invadimos tudo. é muito gás. Mas nós estamos vencendo a guerra, estamos vencendo a batalha, em nome de Jesus — diz em vídeo.

Juliano Antoniolli e Luane Grotta, casal bolsonarista

O agrônomo Juliano Antonielli e a média Luane Grotta participaram do ato terrorista em Brasília neste domingo. O casal havia tirado uma foto com Jair Bolsonaro nos EUA alguns dias antes. Luane compartilhou a imagem com o ex-presidente em seu perfil do Instagram, que agora consta como desativado. Juliano, segundo seu perfil do LinkedIn, trabalha na Fazenda Platina, em Mato Grosso.

Fabrizio Cisneros, político bolsonalista

Fabrizio Cisneros é político bolsonalista que almejava concorrer a uma vaga de deputado estadual pelo Democracia Cristã em Mato Grosso, mas o seu sonho não foi adiante porque o partido não cumpriu a cota mínima de 30% de candidaturas femininas. Em vídeos, Fabrizio aparece encapuzado e fez diversas transmissões ao vivo durante o evento, chegando a mostrar a invasão de manifestantes no plenário do Supremo Tribunal Federal. Sua página no Instagram foi desativada por determinação de Alexandre de Moraes.

Bruno Freire, ex-candidato a vereador de Paulo Afonso (BA)

Um ex-candidato a vereador nas eleições municipais de 2016 de Paulo Afonso, na Bahia, também foi identificado por um registro que enviou a um familiar. Bruno Freire, que já foi filiado ao PSD, fez o registro após invadir o Congresso e no caminho para o STF. "Tudo tomado pelo povo, Brasília não é lugar de bandido, comunismo aqui não", afirmou.

Dr. Silvio, presidente do PL em Monte Azul (MG)

O presidente do PL em Monte Azul, Dr. Silvio, viralizou em grupos de WhatsApp bolsonaristas ao publicar um vídeo em que celebra a invasão.

— Começou a guerra: Congresso, STF, toda Brasília está invadida. Brasília é nossa de novo e viva o Brasil — diz.

Clesio Ferreira, professor e ex-candidato derrotado a prefeito de Ouro Preto (MG)

Em 2020, ele concorreu como prefeito de Ouro Preto pelo Democracia Cristã. No passado, ele foi docente da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Gilberto da Silva Ferreira, mecânico e suplente de vereador em Nova Santa Rita (RS)

O suplente de vereador em Nova Santa Rita se candidatou pelo PRTB e recebeu 97 votos nas eleições de 2020. Em vídeos publicados, Gilberto aparece no Salão Negro do Congresso Nacional, ao lado de outros bolsonaristas.

Perpétua Aguiar, fisioterapeuta e ex-candidata derrotada a deputada estadual no Ceará

Ex-candidata a deputada estadual do PL derrotada nas urnas em outubro, Perpétua Aguiar comemorou o terrorismo de bolsonaristas radicais. Nas eleições do ano passado ela obteve 1.100 votos.

Tania Maion, ex-candidata a deputada federal do Paraná

A bacharel em direito e farmacêutica, Tania Maion participou dos atos terrorista de ontem. A bolsonarista se identifica nas redes sociais como "cristã, conservadora, casada e mãe de dois filhos".

Aposentou-se no início de 2019 do cargo de Oficial de Justiça Avaliadora Federal no município Marechal Cândido Rondon, no Paraná, e desde então atua como ativista política e como defensora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Mari Bizari, ex-candidata a deputada estadual (SP)

Imagens da ex-candidata a deputada estadual por São Paulo, Mari Cristina Bizari (União Brasil) circulam pelas redes. Em uma imagem, ela veste máscara de proteção contra a Covid-19 e óculos de natação. Em vídeos, ela discursa "nós salvaremos o Brasil".

Pastor Edson Xavier, secretário de Águas Lindas (GO)

Os ataques de vandalismo ocorridos neste domingo contou com a presença do pastor Edson Xavier, da Assembleia de Deus de Brasília. Ele é braço direito do prefeito de Águas Lindas e secretário das Relações Institucionais na gestão atual. O secretário postou em suas redes sociais um vídeo em que os terroristas correm em direção ao Congresso e STF, mas não está mais disponível. Desde a derrota de Jair Bolsonaro nas urnas, Xavier comparece à atos antidemocráticos.

Lucimário Benedito Camargo, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Rio Verde (GO)

O empresário e presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Rio Verde, no sudoeste de Goiás, gravou um vídeo dele mesmo dentro do Palácio do Planalto. Nas imagens, Camargo aparece enrolado a uma bandeira do Brasil e registra a explosão de bombas de efeito moral ao fundo.

— Brasileiro só subindo a rampa, entrando cada vez mais e os soldados tacando bomba no povo, covardes. O poder emana do povo, o povo não vai sair, o povo não vai deixar ladrão governar o país, narcotraficante e muito menos comunista — afirma.

André, dono do restaurante Maria Gorda (AL)

Seguido nas redes por bolsonaristas como os deputados federais Eliza Virginia e Alfredo Gaspar, André é um dos expoentes que foi de Maceió à Brasília. Ele é proprietário do restaurante Maria Gorda, localizado na capital do Alagoas. Em stories do Instagram, ele descreveu o episódio "já invadimos o STF".

Ana Priscila Azevedo, líder nas redes sociais

Líder de um grupo no Telegram com milhares de membros, Ana Priscila Azevedo compartilhou registros dos atos na sede dos Três Poderes, o que inclui vídeos dentro do Supremo Tribunal Federal e no Congresso, com o patrimônio dos prédios públicos depredado. Em um dos registros em Brasília, no domingo, ela pede a intervenção das Forças Armadas. — Agora é com vocês — grita.