Ex-‘BBB’ Vanderson vai abrir 19 processos após acusações de assédio

Vanderson Brito foi absolvido de todas as acusaçoes de assédio moral físico e psicológico que foi acusado (reprodução /instagrm @vandersonbrito)

Vanderson Brito, que participou do ‘Big Brother Brasil 19’, comunicou nesta quarta-feira (29) que vai abrir cerca de 19 processos de danos morais e materiais por propagar e difundir notícias falsas sobre o biólogo.

 Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Ao ser anunciado no programa, o participante foi acusado de agressão física e psicológica por Maíra Menezes. Um movimento se iniciou nas redes sociais pedindo a expulsão do participante da casa. “De forma precipitada eles divulgaram mentiras e publicaram notícias e vídeos. Gravações de até outras pessoas sobre ele. Isso causou um dano muito grande na imagem dele. Foram prejuízos morais e materiais. Impediram que ele continuasse no programa, onde ele tinha chances como todos ali dentro. Que ele trabalhasse depois de sair”. contou Roberto Barreto de Almeida, advogado do biólogo, ao Yahoo!.

Leia também

Após o início do confinamento na casa do programa mais casos apareceram e a polícia civil do Rio de Janeiro foi aos Estúdios Globo para colher o depoimento do participante, mas havia uma complicação. Caso falasse com a instituição ele precisaria ser desclassificado do jogo, já que receberia notícias do mundo exterior.  “Foi um ano muito difícil para ele porque a imagem dele ficou muito manchada. Sem recolocação no mercado, as pessoas cochichavam quando ele andava n aruá. Com a absolvição ele está com a alma lavada”, disse.

No fim de 2019 o processo acabou e ele foi absolvido de tudo que foi processado. “Eram acusações e quatro anos atrás, três anos atrás, eram coisas pretéritas. Tinham fatos que já haviam a prescrição. Estávamos aguardando o trânsito em julgado que ficou esclarecido que não aconteceu nada do que estavam comentando. Agora vamos ajuizar ações contra 16 pessoas físicas que possuem contas nas redes sociais e canais do youtube e três jurídicas, entre eles um grupo de mídia e o Governo do Estado do Rio de Janeiro, que responde pela Polícia Civil”, concluiu.