Ex-capitão da seleção galesa de rúgbi é diagnosticado com demência precoce

O ex-capitão da seleção de rúgbi do País de Gales, Ryan Jones, anunciou que sofre de demência precoce, aos 41 anos, numa entrevista publicada este sábado pelo jornal The Times. Aposentado desde por uma lesão recorrente no ombro direito, o atleta é mais uma do esporte (no qual fortes contatos físicos são constantes) a receber um diagnóstico de doença mental.

“Tenho a impressão de que o meu mundo está desmoronando. E é algo que me apavora”, contou o ex-atleta, que disputou 75 partidas pela seleção do seu país, 33 deles como capitão.

Alzheimer: novo estudo aponta que vitamina K tem efeitos protetores contra a demência

Estudo: pessoas que dormem até 6 horas por noite sofrem menos demência, entenda

A doença foi diagnosticada em dezembro, e os médicos lhe disseram que provavelmente está relacionada à Encefalopatia Traumática Crônica (ETC), uma doença neurodegenerativa causada por repetidos choques na cabeça. Os especialistas consultados também reconheceram que foi um dos piores casos que já viram, segundo a publicação.

“Vivi 15 anos da minha vida como super-herói, mas não sou. Não sei o que o futuro me reserva”, explicou o ex-jogador. “Tudo o que eu quero é levar uma vida feliz e normal, mas isso foi tirado de mim, e não há nada que eu possa fazer sobre isso”, admitiu Jones, que não se lembra mais das regras do rúgbi e, inicialmente, pensou que estava tendo um quadro de depressão.

O neurologista que acompanha o caso admite não estar otimista e até disse ao ex-atleta que suas funções provavelmente continuarão a declinar na mesma proporção dos últimos cinco anos.

“Minha companheira e minha família começaram a notar mudanças em mim. Fui diagnosticado com depressão, mas comecei a perceber que várias de minhas funções intelectuais estavam precárias”, disse Jones, destacando a perda de memória de curto prazo, a dificuldade para encontrar palavras e as alterações de humor.

Alzheimer: estilo de vida influencia mais do que a idade para o surgimento da doença, diz estudo

Como exemplo, Jones explica que tem fotos com seus filhos no topo do pico mais alto do País de Gales, mas que não se lembra de como eles chegaram lá.

Embora não especifique se vai ingressar na ação movida por outros ex-jogadores contra as autoridades esportivas do esporte, Jones se mostra muito crítico à situação atual dos ex-atletas.

“É como andar com a cabeça para a frente e os olhos fechados para uma situação catastrófica”, resume.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos