Ex-CEO do Twitter pede desculpas após demissões em massa

Jack Dorsey, cofundador e ex-CEO do Twitter, pediu neste sábado (5) desculpas aos funcionários da empresa por ter feito a rede social crescer "rápido demais", um dia após o novo proprietário Elon Musk demitir cerca de metade do quadro de 7.500 pessoas.

"Percebo que muitos estão com raiva de mim", escreveu Dorsey, que cofundou o Twitter em 2006. No ano passado, ele deixou o cargo de CEO e, em maio, o conselho de administração, mas segue como acionista indireto.

"Sou responsável por todos estarem nessa situação: aumentei a empresa muito rapidamente. Peço desculpas por isso", disse ele no Twitter.

Muitos funcionários do Twitter esperavam que seu ex-chefe, uma figura carismática e influente do Vale do Silício, reagisse depois que Musk, o homem mais rico do mundo, assumiu o controle da plataforma há uma semana em um controverso acordo de aquisição.

Em um post de abril na plataforma, Dorsey havia endossado a compra por Musk, descrevendo-a como "o caminho certo".

"As pessoas do passado e do presente do Twitter são fortes e resilientes", escreveu Dorsey hoje. "Sempre encontrarão um caminho, por mais difícil que seja o momento."

Musk concluiu a aquisição de 44 bilhões de dólares da empresa no final da semana passada. Rapidamente dissolveu o conselho diretor e demitiu o presidente-executivo Parag Agrawal e outros altos dirigentes.

“Sou grato e amo todos que já trabalharam no Twitter”, tuitou Dorsey. "Não espero que isso seja mútuo agora... ou nunca... e eu entendo."

juj/md/bfm/db/ad/ic