Ex-chefe de campanha de Trump vai para prisão domiciliar por emergência sanitária

Paul Manafort poderá cumprir resto de pena em prisão domiciliar

O ex-chefe da campanha eleitoral do presidente Donald Trump em 2016, Paul Manafort, foi libertado da prisão e poderá cumprir o restante de sua sentença em seu domicílio, em razão da pandemia de coronavírus - informou seu advogado nesta quarta-feira (13).

O consultor político de 71 anos foi condenado no ano passado a sete anos e meio de prisão por crimes fiscais, fraude bancária e acusações de conspiração, relacionadas principalmente aos seus negócios na Ucrânia com políticos e magnatas aliados da Rússia.

Manafort estava em uma prisão da Pensilvânia, onde, segundo seus advogados, sofria de pressão alta e problemas respiratórios, o que o tornava mais vulnerável à COVID-19.

"Manafort tem um risco significativamente aumentado de doença grave, ou morte", argumentou a defesa em seu pedido de liberdade da prisão no mês passado.

O ex-conselheiro poderá cumprir o resto de sua sentença em sua casa, atualmente na Alexandria, Virgínia, nos arredores de Washington.

Manafort foi um dos 2.471 internos do sistema penitenciário federal colocados em prisão domiciliar, devido à pandemia de coronavírus.

São cerca de 150.000 detentos nas instituições federais. Outros 2,1 milhões de prisioneiros são mantidos em penitenciárias estaduais.

Manafort foi um dos seis ex-assessores, ou conselheiros da campanha de Trump, que se declararam ou foram considerados culpados na investigação de interferência russa e possível conluio nas eleições de 2016.