Ex-chefe de delegacia volta a ser preso após denúncia de envolvimento em plano para matar promotora e delegada

·3 minuto de leitura

A Justiça do Rio voltou a decretar a prisão do policial civil Jorge Camillo Luiz Alves, ex-chefe de investigação da 16ª DP (Barra da Tijuca) acusado de envolvimento com a milícia de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio. Há um mês ele está em uma cela na Divisão Antissequestro, no Leblon, Zona Sul do Rio. Antes, o investigador estava em prisão domiciliar. Na decisão, a juíza Juliana Benevides, da 1ª Vara Criminal Especializada cita uma suspeita de que Camillo esteja envolvido em uma plano para matar a promotora Simone Sibílio e a delegada Adriana Belém, com quem o investigador trabalhava quando foi preso.

Em denúncia recebida pelo Ministério Público estadual, Camillo de ter se reunido com chefes das milícias de Rio das Pedras e da Muzema para planejar a morte de Adriana e Simone, que atuou no caso do policial ainda durante o inquérito. "O fato noticiado, além de extremamente grave, por envolver possível atentado à vida de uma Delegada de Polícia e de uma Promotora de Justiça, indica o descumprimento da prisão domiciliar fixada", afirmou a juíza na decisão.

A magistrada afirma ainda que o monitoramento por tornozeleira eletrônica não seria suficiente no caso de Camillo e alega melhora no seu estado de saúde com a realização de uma cirurgia na coluna e tratamentos. O problema de saúde na coluna foi foi determinante para a substituição da prisão preventiva por domiciliar em maio de 2020.

No dia seguinte à decretação de sua prisão, no dia 7 de maio, Camillo se entregou na Delegacia de Homicídios da capital, na Barra da Tijuca, acompanhado de seu advogado. Na ocasião, ele prestou depoimento e negou ter planejado matar as duas autoridades. Além disso, alegou ter um bom relacionamento com Adriana. O policial afirmou não ter o costume de consumir bebidas alcóolicas, negou frequentar bares e também ter contato com milicianos. Ele também alegou que deixava sua casa, durante a prisão domiciliar, apenas para realizar fisioterapia e acupuntura neurológica.

A Justiça autorizou a manutenção de Camillo em uma cela na DAS provisoriamente porque o policial possui um neuroestimulador na coluna que é ativado por bluetooth. Segundo laudo médico apresentado à Justiça, o policial, que possui uma lesão neurológica definitiva, não pode ter contato com qualquer campo magnético como portas de banco e detectores de metais. A defesa de Camillo entrará com novo pedido de prisão domiciliar.

Nessa segunda-feira, a juíza Juliana Benevides determinou que a Secretaria de Administração Penitenciária do Rio informe se há possibilidade de Camillo permanecer no sistema prisional do Rio com o dispositivo em sua coluna. A magistrada também solicitou que a pasta esclareça se há possibilidade de ele fazer o tratamento adequado caso fique preso.

Após ter recebido a denúncia sobre o plano para matar as duas autoridades, a Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI) do MP monitorou Camillo durante sete dias - entre 3 e 9 de fevereiro. Segundo relatório produzido, no período o policial deixou a sua casa apenas uma vez, na tarde do dia 4. Ele estava acompanhado da esposa.

Com a saída, segundo o MP, Camillo descumpriu a domiciliar. Entretanto, sua defesa afirma que o policial possui autorização para sair de casa e fazer o tratamento médico do qual necessita. Além disso, alega que na tarde do dia 4 ele tinha uma sessão de fisioterapia neurológica.

Advogado de Camillo, Daniel Dias afirma ser absurdo que seu cliente tenha sido preso com base em uma informação do Disque-Denúncia. Ele ainda alega que o estado de saúde do policial está pior do que quando a Justiça permitiu que ele permanecesse em prisão domiliciar.

- O estado de saúde dele hoje é pior do que antes da cirurgia e não melhor. Ele não possui condições de ficar preso - argumenta Dias.

Camillo foi preso em janeiro de 2020 na Operação Intocáveis II, sob acusação de envolvimento com a milícia de Rio das Pedras. O MP encontrou diversas conversas entre Camillo e um dos acusados de matar a vereadora Marielle Franco, Ronnie Lessa. No celular de Ronnie, o policial era identificado como amigo da 16.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos