Ex-comandantes são sentenciados por naufrágio de submarino argentino

·2 minuto de leitura
Parentes dos tripulantes do submarino San Juan na base naval de Mar del Plata, na Argentina, em 2018

Um ex-comandante da Marinha argentina foi condenado à prisão nesta segunda-feira (22) e outro oficial superior foi demitido por várias falhas em suas funções no naufrágio do submarino San Juan, em 2017, que matou 44 tripulantes, informou o Tribunal de Guerra.

Tratam-se das primeiras sanções proferidas no âmbito de uma investigação disciplinar das Forças Armadas argentinas. Paralelamente, o processo penal sobre o caso continua na justiça federal.

O ex-comandante do submarino, o almirante reformado Marcelo Srur, foi condenado a "45 dias de prisão rigorosa" por "ter informado de forma incompleta o Ministério da Defesa dos fatos iniciais, evitando também fornecer informações aos familiares dos tripulantes", de acordo com um comunicado do Conselho, composto por comandantes do Estado-Maior Conjunto e um alto funcionário ministerial.

A maior condenação foi a demissão do ex-comandante da Força Submarina, Claudio Villamide, que foi considerado culpado de "descuido ou negligência com as tropas e equipamentos sob seu comando", entre outros delitos. Dois capitães ativos receberam 20 e 30 dias de prisão, respectivamente.

Luis Tagliapietra, pai de um dos tripulantes do ARA San Juan e demandante da causa judicial, considerou que o Conselho de Guerra foi contido.

"Correspondiam outras destituições, mas de qualquer forma as sanções são importantes porque terão vínculo com a investigação na justiça", disse à AFP.

Um ex-comandante de uma base naval do sul do país foi sentenciado a 15 dias de prisão. Outros dois ex-comandantes, um de manutenção e outro de operação, foram absolvidos.

Em novembro passado, um tribunal ordenou investigar a responsabilidade penal que o ex-presidente Mauricio Macri e seu ex-ministro da Defesa, Oscar Aguad, possam ter tido.

O submarino era um TR-1700 de fabricação alemã, com 66 metros de comprimento, que serviu de 1985 até novembro de 2017, quando se perdeu dos radares durante o patrulhamento das águas argentinas, aparentemente devido a uma explosão interna por falhas técnicas.

O San Juan foi descoberto a 900 metros de profundidade por um navio da empresa Ocean Infinity, após mais de um ano de buscas, com o apoio de marinhas de outros países. Nunca pode ser trazido à tona.

dm/nn/mps/bn/mvv