Vídeo: Ex-conselheiro de Trump admite ter planejado golpes: 'Não aqui mas, você sabe, em outros lugares'

O ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton admitiu que já ajudou os Estados Unidos a planejar golpes de estado contra governos estrangeiros durante uma entrevista nesta terça-feira à CNN, afirmando ao apresentador Jake Tapper que "isso demanda muito trabalho".

'Os números não mentem': Comissão da Câmara detalha pressão de Trump para mudar resultado de eleição

Vice-presidente: Pressão de Trump para que Pence revertesse eleição foi 'ilegal e inconstitucional', dizem deputados dos EUA

Bolton, que ocupou o cargo entre 2018 e 2019 durante o governo do ex-presidente Donald Trump, fez a declaração enquanto comentava a sétima audiência da Comissão da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, que investiga a invasão do Capitólio por apoiadores de Trump, em 6 de janeiro de 2021, e os esforços do republicano de subverter o resultado da eleição de 2020 e se manter no poder.

– Não é necessário ser brilhante para tentar um golpe – disse Tapper a Bolton.

– Discordo – respondeu Bolton. – Como alguém que já ajudou a planejar golpes de estado, não aqui mas, você sabe, em outros lugares, isso demanda muito trabalho. E não foi isso o que [Trump] fez. Foi apenas tropeçar de uma ideia para a outra. No fim das contas, ele incentivou os invasores para o Capitólio. Quanto a isso, não há nenhuma dúvida.

'Difícil de acreditar': Apologistas da invasão do Capitólio dos EUA ficam impunes enquanto desaparece a memória do horror

Questionado sobre quais golpes ajudou a planejar, Bolton limitou-se a falar dos esforços do governo Trump para apoiar a oposição em sua tentativa de destituir o presidente Nicolás Maduro, episódio relatado em seu livro “The Room Where it Happened” (A sala onde tudo aconteceu, em tradução livre).

– [O esforço] Não foi bem-sucedido – reconheceu.

Sob Trump, os EUA – juntamente com a União Europeia e organizações internacionais – consideraram a reeleição de Maduro, em 2018, como fraudulenta e ilegítima. Os EUA e mais de outros 10 países acabaram reconhecendo o líder da oposição Juan Guaidó como presidente legítimo e apoiaram seus esforços para substituir Maduro no poder.

Além de ter atuado durante o governo Trump, Bolton teve vários cargos durante Presidências republicanas durante décadas, tendo como início posições no Departamento de Justiça sob Ronald Reagan (1981-1989).

Os Estados Unidos explícita ou implicitamente apoiaram e ajudaram vários golpes e mudanças de regime em todo o mundo, incluindo as ditaduras militares na América Latina.

Busca por desaparecidos no Chile reaviva questão: O que houve com os militares após as ditaduras na América Latina?

Em 2004, enquanto Bolton trabalhava no Departamento de Estado, os EUA enfrentaram alegações de apoiar a destituição do presidente do Haiti. Neste ano, um ex-embaixador francês disse ao New York Times que os EUA e a França "efetivamente orquestraram" o golpe.

Ele também defendeu a mudança de regime no Iraque, em uma guerra que ele ajudou a levar a cabo em 2003, e disse em 2008 que os EUA deveriam derrubar o governo do Irã.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos