Ex-detento do Carandiru, Dexter comemora 6 anos de liberdade em SP

AMON BORGES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O rapper Dexter fez show da turnê do álbum "Flor de Lótus" (2016) neste domingo (16) no Carioca Club (zona oeste de São Paulo).

Para a ocasião, o artista de 43 anos queria algo especial. Ele comemora seis anos de liberdade no dia 20 de abril, após cumprir penas em presídios como o Carandiru -desativado e parcialmente demolido em 2002. "Antecipei a comemoração para o domingo de Páscoa, uma data muito simbólica", disse no palco.

Em janeiro de 1998, o paulistano Marcos Fernandes de Omena seguiu para a detenção -período que ele chama de "exílio". Foram 13 anos cumprindo pena em regimes aberto e semiaberto após seis assaltos e fuga da prisão. Hoje, Dexter conta que para fazer os shows após as 22h ainda precisa de uma autorização judicial.

A comemoração teve as presenças de amigos e figuras ilustres como o rapper Thaíde, que subiu ao palco, e o pentacampeão pela seleção brasileira Cafu.

Criado em uma favela de São Bernardo, Dexter, que adotou o nome por causa do filho de Martin Luther King, ganhou evidência em 1999 com as músicas da dupla 509-E com seu companheiro de cela Afro-X.

509-E era justamente a cela do quinto andar do pavilhão 7 do Carandiru em que eles estavam. A dupla produziu dois CDs em estúdio: "Provérbios 13" (2000) e MMII DC (2002 Depois de Cristo) (2002).

De lá, o rapper seguiu para uma casa de detenção em São Vicente, litoral de São Paulo, e gravou seu disco solo "Exilado Sim, Preso Não".

Em 2009, durante o regime semiaberto em Guarulhos, conseguiu gravar seu primeiro DVD: "Dexter & Convidados", com participações de nomes como Mano Brown e Edi Rock, dos Racionais, Paula Lima e Thaíde.

Em 2013, já chegava ao seu terceiro DVD: "A Liberdade Não Tem Preço", produzido em São Paulo com Seu Jorge, Péricles e Guilherme Arantes na gravação.