Ex-diretor do BC que atuou para baixar juro anual a 2%, o menor da história, agora defende subida para 14,25%

O ex-diretor do Banco Central que apoiou uma redução da taxa de juros para o menor patamar da História do Brasil, de 2%, agora avalia que o BC precisa promover um aperto monetário mais forte e empurrar a taxa Selic de 13,25% para 14,25% no final do ciclo de alta. E não descarta que os juros possam ir além, caso o efeito na atividade continue a demorar.

Focus: Mercado eleva previsão de inflação para 2023 pela 16ª vez seguida e diminui a de 2022

Impacto: Inflação alta e queda na renda atingem em cheio varejistas; ações de Magazine Luiza e Americanas despencam

Fabio Kanczuk, 53, que comandou a diretoria de Política Econômica do Banco Central do Brasil e agora é head de macroeconomia da Asa Investments, vê mais meio ponto percentual de alta na próxima reunião do Copom, em agosto, e um ritmo mais lento para os próximos encontros, até que a maior economia da América Latina mostre uma queda nas estimativas de atividade e inflação.

“O BC precisa ver as coisas acontecendo, ele precisa de um sinal e não está tendo”, disse em sua primeira entrevista após deixar o cargo, em dezembro. Sua estimativa para a Selic terminal é superior à mediana dos economistas consultados pelo Banco Central na pesquisa Focus, que aponta a taxa de referência encerrando o ciclo em 13,75%.

Risco fiscal: Descontrole da inflação, alta de juros e custo da dívida sob Bolsonaro são maiores do que com Dilma

Diretor do Banco Central de 2019 a 2021, Kanczuk vê, além da inflação, os riscos fiscais como grandes desafios do atual cenário. Após a aprovação da PEC Eleitoral e uma maior injeção de dinheiro na economia, é possível que os efeitos do aperto monetário sejam postergados e a recessão esperada só aconteça no 4º trimestre do ano.

A situação fiscal tornou-se mais expansionista e exige uma política monetária mais restritiva. O Banco Central será mais explícito sobre isso, disse ele, acrescentando que não há outra maneira. “Para 2023, o jogo continua complicado”.

PEC Eleitoral: Veja quanto cada medida vai custar aos cofres públicos

Apesar do aumento das incertezas, o Banco Central não deve evitar qualquer aumento da taxa básica devido ao risco de dominância fiscal, da qual o ex-diretor diz que o Brasil está longe. As autoridades monetárias também olham mais para a inflação do que para a atividade. “O Banco Central deve voltar a ancorar as expectativas”, disse Kanczuk.

Olhando para trás, o ex-diretor do BC diz que um dos erros da administração da qual fez parte foi prever uma forte desaceleração econômica durante a pandemia, o que não aconteceu. Por outro lado, defendeu a política de forward guidance implementada em 2020 para orientar os agentes de mercado sobre as próximas decisões do Copom.

Quinta geração: João Pessoa, Porto Alegre e Belo Horizonte vão receber o '5G puro' na sexta-feira

“O forward guidance não precisa mostrar uma convicção do Banco Central, não tem compromisso”, disse. “Eu gosto de uma comunicação mais transparente e hoje o mercado entende o que o BC fala”.

Segundo o ex-diretor, o atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, deve continuar no cargo em caso de vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de outubro. Kanczuk diz que Campos Neto não sofreu interferências no atual governo e o BC deve continuar independente em um eventual governo do PT.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos