Ex-Dona Candinha, Luciana Coutinho cita arrependimento dos tempos de musa: 'Tomei muito remédio para emagrecer'

·1 minuto de leitura

No início dos anos 2000, Luciana Coutinho foi alçada ao posto de musa da televisão. Devido ao sucesso de sua personagem Dona Candinha, contacenando com Nerson da Capitinga (Pedro Bismarck) no "Zorra total", a atriz chegou a estampar as capas da "Playboy" e da "Sexy". Mas por trás da imagem de símbolo sexual, Luciana vivia um drama pessoal: o vício em remédio para emagrecer.

"Não faria nada diferente. Tenho orgulho da minha trajetória. Na verdade, só tem uma coisa da qual me arrependo. Tomei muito remédio para emagrecer. Gosto de falar isso para que sirva de alerta. Tomava desde minha época de modelo, quando fui trabalhar na Europa. Eu só ficava doente, não comida nada. Era um vício e tive que me tratar com a ajuda de um psiquiatra", contou Luciana numa live com Lucas Hit, do Instagram Clube da Vip.

Leia também: Ex-namorado de Marina Ruy Barbosa procura a atriz após separação para consolá-la

A cobrança por um corpo perfeito vinha de outras pessoas, mas dela também: "Era uma cobrança interna minha. Vinha de fora também, mas eu vivia muito preocupada com a forma que as pessoas me viam. O vício me trouxe muitos problemas depois, como a dificuldade de engravidar. Precisei fazer cinco fertilizações e só fiquei grávida aos 47 anos".

Hoje, aos 53, Luciana Coutinho passa a pandemia, como ela mesmo diz, no meio do mato, na divisa entre Rio e São Paulo, com o filho, Lucca, e o marido, o ator Ricca Barros. Nos últimos anos, ela vem se dedicando mais ao teatro e ao projeto Sonho Cultural, criado por ela há quase duas décadas, em que dá aulas de interpretação para pessoas de baixa renda.