Ex-embaixadora dos EUA na ONU diz que Trump não tem futuro no partido

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A ex-embaixadora dos Estados Unidos nas ONU (Organização das Nações Unidas) Nikki Haley criticou o ex-presidente Donald Trump por seu envolvimento na invasão do Congresso americano e disse que ele não tem mais um futuro dentro do Partido Republicano. As declarações foram dadas numa entrevista publicada nesta sexta-feira (12) no site Politico. "Precisamos reconhecer que ele nos decepcionou", disse a também ex-governadora da Carolina do Sul. "Ele percorreu um caminho que não deveria ter seguido, não devíamos tê-lo seguido, e não devíamos tê-lo ouvido. Não podemos deixar que isso aconteça novamente." Haley sempre foi uma aliada fiel de Trump —tendo endossado o discurso de fraude das eleições e convocado doações de recursos para pagar os advogados que lideram as contestações judiciais em vários estados. Ao contrário de outros membros do partido, que romperam com Trump ao deixarem o governo, Hayley não passou por um processo de fritura quando renunciou ao posto em 2018. Apesar de divergir do presidente em diversos pontos —foi muito mais crítica à Rússia e chegou a dizer que as mulheres que acusavam Trump de assédio sexual "deveriam ser ouvidas"—, ela saiu do posto fazendo elogios à administração do republicano. Na entrevista, ela criticou a postura de Trump em pressionar seu vice, Mike Pence, a reverter a vitória de Biden, —ainda que não exista nada na Constituição americana que dê esse poder de desconsiderar, unilateralmente, o resultado das urnas. "Quando eu digo que estou com raiva, é um eufemismo", disse Haley. "Mike não foi nada além de leal a esse homem." Sobre o processo de impeachment, que está sendo julgado no Senado, ela disse ser uma "perda de tempo" —para que seja aprovado, o processo exige a votação de dois terços da Casa, e a maioria dos republicanos já sinalizou que vai absolver Trump. O processo ainda pode acarretar a perda dos direitos políticos do ex-presidente. Se isso ocorrer, ele não poderá disputar a Presidência em 2024. O veto precisa ser aprovado em uma segunda votação, após a aprovação do impeachment, por maioria simples (51 senadores). Haley, no entanto, diz acreditar que Trump não concorrerá a um cargo federal e que ele não terá um futuro dentro do Partido Republicano. "Eu não acho que ele vai voltar", disse. "Eu não acho que ele pode. Ele foi longe demais."