Ex-esposa traiu Bolsonaro com segurança e perdeu comando da rachadinha, diz ex-funcionário

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Brazilian President Jair Bolsonaro gestures as he delivers a speech during the celebration of National Volunteer Day at Planalto Palace in Brasilia, August 26, 2021 (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Presidente repassou comando do esquema das rachadinhas após descobrir traição de Ana Cristina Siqueira Valle (Foto: Evaristo Sá/AFP via Getty Images)
  • Ana Cristina Siqueira Valle traiu Jair Bolsonaro com o segurança da família, um bombeiro militar

  • Após descobrir a traição, Bolsonaro tirou Ana Cristina do comando do esquema de rachadinha e repassou a Flávio e Carlos

  • Marcelo dos Santos admitiu que participada do esquema de rachadinha no gabinete de Flavio e devolvia até 80% do salário

A ex-esposa de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, traiu o presidente quando eles eram casados. Quando Bolsonaro descobriu o caso entre a mulher e um segurança particular dele, decidiu repassar o comando do esquema de rachadinha para os filhos mais velhos: Flavio e Carlos Bolsonaro.

A informação foi dada pelo ex-funcionário da família, Marcelo Luiz Nogueira dos Santos, em entrevista ao colunista Guilherme Amado, do portal Metrópoles.

Em entrevista ao portal, Marcelo dos Santos revelou ter sido testemunha de vários golpes dados por Ana Cristina – entre eles, o esquema que rachadinha nos gabinetes de Flavio e Carlos. Isso durou até 2007, quando Bolsonaro pediu o divórcio.

Leia também:

Marcelo disse ao colunista Guilherme Amado que Ana Cristina Siqueira Valle traía Bolsonaro com o segurança da família, o bombeiro militar Luiz Cláudio Teixeira. Ele era responsável por fazer a escolta dos Bolsonaro no Rio de Janeiro.

“Aí já estava aquela guerra dos meninos [Flávio e Carlos] pressionando ele porque ela comandava a rachadinha no gabinete deles. Já estava esse clima tenso. Aí veio a história da traição”, declarou.

Foi também quando Bolsonaro descobriu a traição que Marcelo deixou o cargo que tinha no gabinete de Flávio Bolsonaro. “Porque ela era muito chegada a mim, não tinha amigos de verdade, então a gente saía junto, eu que ia com ela para as festas e coisa e tal. Então, quando ela começou a ficar com o Luiz, eu já comecei a ficar meio assim, porque o Bolsonaro sempre confiou muito em mim. Até em relação ao Jair Renan também, nos finais de semana eu ia dormir lá na casa deles. Quando Bolsonaro ia para Brasília, ele me pedia para dormir na casa lá. Então foi nesse período que eu dormia lá que ela começou a botar o Luiz para dentro de casa”, relatou Marcelo.

O ex-funcionário da família afirmou que ficou em situação complicada, por ser próximo tanto de Jair Bolsonaro quanto de Ana Cristina Siqueira Valle. “E mesmo assim, depois da separação, eu fui o único que fiquei do lado dela. Lógico, ela não tinha porra nenhuma, quem era o cara era ele. Eu fui o único otário que fui acompanhar ela, e mesmo assim me sinto injustiçado porque ela nunca me deu valor por isso”, afirmou.

Ao UOL, Marcelo disse que Ana Cristina queria “escraviza-lo”. A patroa sugeriu que ele morasse na casa com ela e Jair Renan, em Brasília, recebendo um salário menor que o combinado. Foi esse desentendimento que levou o ex-funcionário da família a revelar o esquema.

O próprio Marcelo assumiu que fazia parte do esquema da rachadinha no gabinete de Flávio. Segundo o ex-funcionário, ele chegava a devolver 80% do salário para a família.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos