Ex-Flamengo, Domenèc Torrent se solidariza a Gerson: 'Homem de caráter ímpar'

·3 minuto de leitura

Ex-técnico do Flamengo, Domenèc Torrent foi mais um a manifestar apoio ao meia Gerson, que acusa Ramírez, do Bahia, de injúria racial durante partida pelo Brasileiro. Pelo Twitter, o técnico afirmou que o 'o racismo é uma praga mundial' e que Gerson, seu ex-comandado, é 'um homem de caráter ímpar'.

"Recebi com muita tristeza a notícia dos atos racistas contra o meia Gerson, que foi meu jogador no Flamengo e um homem de um caráter ímpar. O racismo é uma praga mundial que devemos combater todos os dias. Minha solidariedade ao Gerson e seus familiares! Não podemos mais tolerar nesse tipo de situação!", escreveu Dome.

Nesta terça-feira, o meia rubro-negro prestou depoimento Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI). A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso.

O Flamengo venceu o Bahia por 4 a 3, no último domingo, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas as polêmicas aconteceram após Gerson deixar o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Juan Pablo Ramirez, do Bahia. O vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, afirmou que o clube irá ao Superior Tribunal de Justiça (STJD) contra o atleta e ao técnico Mano Menezes.

"Além de apoiar o Gerson na esfera criminal, o Flamengo representará ao STJD contra o atleta que ofendeu racialmete o Gerson, assim como o fará contra o Mano Menezes, que apoiou a ofensa racial e chamou de malandragem. Temos que banir o racismo da nossa sociedade", escreveu Dunshee.

Após a partida, o volante Gerson deixou o gramado reclamando de uma injúria racial do atleta colombiano Ramirez, do Bahia.

— Quero falar uma coisa: tenho muitos jogos como profissional e nunca vim falar nada porque nunca sofri esse preconceito. Quando tomamos um gol, o Bruno Henrique ia chutar uma bola, o Ramirez reclamou e fui falar com ele, que disse: "Cala a boca, negro" — declarou Gerson.

O fato ocorreu aos 7 minutos do segundo tempo, quando o Flamengo vencia por 2 a 1. Nas imagens, é possível ver Gerson inconformado e tirando satisfação com o atleta colombiano. Na hora, o volante do Flamengo contestou os atletas do Bahia sobre a declaração afirmando que "foi chamado de negro".

— O Mano até falou "Ah, agora você é vítima, não é? O Daniel Alves te atropelou e você não falou nada. Claro, porque teve respeito entre eu e ele. Eu nunca falei de treinador, mas o Mano tem que saber respeitar. Estou vindo falar aqui por mim e por todos os negros do Brasil — reclamou Gerson.

O Bahia divulgou um vídeo na noite da última segunda-feira no qual o meia Ramírez dá sua versão sobre o episódio envolvendo Gerson, do Flamengo. Acusado de racismo, o colombiano alegou que não falou "cala boca, negro" durante a partida no Maracanã.

- Em nenhum momento fui racista. Nem com Gerson e nem com outra pessoa. Quando fizemos o gol, levamos a bola para o meio para reiniciar o jogo rapidamente. Bruno Henrique segura. Eu começo a correr e digo a ele: "Jogue rápido, irmão. Joga sério". Ele joga a bola para trás. Gerson me diz algo, mas eu não entendo muito o português. Não entendi o que falou e disse: "Joga rápido, irmão". Não sei o que ele entendeu e ele começou a me perseguir. E eu sem saber o que tinha acontecido. Eu saí por trás porque não queria brigar com ninguém. Ele disse que eu falei "cala a boca, negro". Eu não falo português tão fluentemente. Estou há um mês no Brasil. Sobre o fato de ser racista, não estou de acordo. Não é bem visto em nenhuma parte do mundo. Em nenhum momento falei isso, uma palavra tão ruim - disse Ramírez.