Ex-funcionárias relatam agressões de patroa que manteve babá em cárcere privado

·3 minuto de leitura
Imagens nas redes sociais mostraram o resgate de Raiana - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Imagens nas redes sociais mostraram o resgate de Raiana - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Raiana da Silva atirou-se do terceiro andar de um prédio para escapar da patroa, Melina França

  • Outras seis ex-funcionárias relataram ter sofrido abusos e ataques semelhantes da patroa

  • Ela prestou depoimento na quinta (26) e desmentiu a versão de Raiana

Raiana Ribeiro da Silva pulou da janela do apartamento onde trabalhava como babá, em Salvador, para escapar da patroa, que a mantinha em cárcere privado. De acordo com outras ex-funcionárias de Melina Esteves França, porém, não tratou-se de um caso isolado.

De acordo com o G1, ao menos seis mulheres relataram que sofreram abusos semelhantes trabalhando para Melina nos últimos anos. As denúncias são sempre semelhantes: agressões, assédio moral e falta de pagamento.

Leia também:

Uma ex-empregada, que preferiu não revelar a identidade, contou que foi agredida e sofreu maus-tratos nos 15 dias em que trabalhou como babá das trigêmeas de Melina em junho.

Ela relatou que era obrigada a trabalhar em cargas horárias exaustivas, das 8h às 20h, sem carteira assinada e que sequer foi paga pelo serviço prestado nestas duas semanas.

"Meu trabalho era brincar mais com as meninas. Tinha uma hora que eu estava cansada e ela falou: 'Sua obrigação aqui é cuidar das meninas, brincar com as meninas. Você não pode parar de brincar’", relatou ao G1.

Raiana relatou os detalhes da fuga - Foto: Reprodução/TV Bahia
Raiana relatou os detalhes da fuga - Foto: Reprodução/TV Bahia

"Realmente, estava cansada, porque eu tenho problema no joelho, e aí ela me deu uma puxada: 'Eu estou pagando você para quê? É para brincar'. Apesar que não me pagou, está me devendo", completou.

A TV Bahia, afiliada da Globo na região, exibiu conversa de áudio em que Melina mostrava comportamento agressivo com a babá. “Sua preguiçosa! Que você quer? Trabalhar em lugar nenhum? Venha pegar aqui seu dinheiro e pronto", disse a patroa.

Uma outra ex-funcionária, que também não quis revelar a identidade, afirmou que também ficou sem receber após dois meses trabalhando como empregada doméstica para Melina. Ela chegou a prestar queixa contra a então patroa na 12ª DP.

"Eu era empregada doméstica. Mas, depois de dois meses, ela não efetuou o pagamento. Quando chegou a data que eu fui cobrar ela, ela me ameaçou. Começou a gritar dentro do apartamento dizendo que eu queria bater nela", afirmou.

Entenda o caso

Raiana Ribeiro da Silva, de 25 anos, pulou do terceiro andar do prédio onde trabalhava para Melina, na última quarta-feira (25), após ser trancada no banheiro da residência. Ela contou que trabalhou cerca de uma semana para a patroa, mas encontrou outra oportunidade e foi comunicá-la sobre sua saída do emprego.

“A agressão começou na terça-feira. Começou porque eu falei para ela que não dava mais para mim, que eu ia sair na quarta-feira. Aí ela falou: ‘Vou te mostrar, vagabunda, se você sai’. E aí, começou a me agredir”, contou à TV Bahia. “Ela me batia, puxava meu cabelo, me mordeu. Várias agressões... Dava tapa.”

Raiana foi mantida por horas em cárcere privado, sem alimentação e água, até decidir se arriscar. A jovem tentou sair pelo basculante do banheiro, mas no meio do caminho percebeu que não alcançaria uma janela do outro lado e se atirou do terceiro andar.

A babá foi resgatada com vida e levada para um hospital da região, onde teve diagnosticada uma fratura no pé. Ela recebeu alta na quarta-feira, mas ficará de cama por alguns dias.

Vítima e acusada prestaram depoimentos

Raiana e Melina prestaram depoimentos na última quinta-feira. A babá chegou ao local ainda sofrendo com as dores da fratura e disse que o testemunho foi “normal”.

Já Melina preferiu não gravar entrevistas. Nas quase seis horas de depoimento, a patroa afirmou que foi Raiana que decidiu trancar-se no banheiro após as duas entrarem em luta corporal, e que chegou a chamar a polícia antes da queda da babá.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos