Ex-governador do PR, Beto Richa vira réu sob acusação de corrupção

ESTELITA HASS CARAZZAI
1 / 1

Ex-governador do PR, Beto Richa vira réu sob acusação de corrupção

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) virou réu neste domingo (10) na Lava Jato, sob acusação de corrupção passiva e organização criminosa na gestão de contratos de pedágio no estado. A Justiça Federal do Paraná aceitou denúncia contra o tucano e mais nove pessoas, por entender que houve "indícios suficientes de participação" dos denunciados, além de "um vasto conjunto de provas", segundo a decisão do juiz Paulo Sérgio Ribeiro. De acordo com o Ministério Público Federal, o suposto esquema criminoso, que perdurou por cerca de 20 anos, desviou no total R$ 8,4 bilhões, por meio de recursos arrecadados a partir dos contratos das tarifas de pedágio. Richa é acusado de ter dado continuidade ao esquema, tomando decisões em favor das concessionárias, e se beneficiado de R$ 2,7 milhões em propina, que teriam sido usados na aquisição de imóveis por sua família. A defesa de Richa informou que irá se manifestar sobre a decisão nos autos. O tucano afirma ser inocente e diz que nunca compactuou com desvios. Seus advogados argumentam que os fatos apresentados pelos procuradores foram esclarecidos, "não restando qualquer dúvida quanto à regularidade de todas as condutas praticadas". Segundo sua defesa, os bens da família foram adquiridos de forma legal e com dinheiro de origem lícita. Richa chegou a ficar preso preventivamente por uma semana, mas foi solto por decisão do Superior Tribunal de Justiça.

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) virou réu neste domingo (10) na Lava Jato, sob acusação de corrupção passiva e organização criminosa na gestão de contratos de pedágio no estado.

A Justiça Federal do Paraná aceitou denúncia contra o tucano e mais nove pessoas, por entender que houve "indícios suficientes de participação" dos denunciados, além de "um vasto conjunto de provas", segundo a decisão do juiz Paulo Sérgio Ribeiro.

De acordo com o Ministério Público Federal, o suposto esquema criminoso, que perdurou por cerca de 20 anos, desviou no total R$ 8,4 bilhões, por meio de recursos arrecadados a partir dos contratos das tarifas de pedágio.

Richa é acusado de ter dado continuidade ao esquema, tomando decisões em favor das concessionárias, e se beneficiado de R$ 2,7 milhões em propina, que teriam sido usados na aquisição de imóveis por sua família.

A defesa de Richa informou que irá se manifestar sobre a decisão nos autos.

O tucano afirma ser inocente e diz que nunca compactuou com desvios. Seus advogados argumentam que os fatos apresentados pelos procuradores foram esclarecidos, "não restando qualquer dúvida quanto à regularidade de todas as condutas praticadas".

Segundo sua defesa, os bens da família foram adquiridos de forma legal e com dinheiro de origem lícita. Richa chegou a ficar preso preventivamente por uma semana, mas foi solto por decisão do Superior Tribunal de Justiça.