Ex-guarda de 100 anos da SS alemã é julgado por 3.518 mortes

·1 minuto de leitura
Advogado esconde rosto de ex-guarda da SS em tribunal alemão

Por Annegret Hilse

NEURUPPIN, Alemanha (Reuters) - Um ex-guarda da SS hoje com 100 anos entrou na sala de um tribunal da Alemanha nesta quinta-feira usando um andador para enfrentar acusações de que ajudou a matar mais de três mil pessoas em um campo de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Procuradores dizem que Josef S., membro da unidade paramilitar SS do partido nazista, contribuiu para as mortes de 3.518 pessoas no campo de concentração de Sachsenhausen montando guarda com frequência na torre de vigilância entre 1942 e 1945.

Médicos disseram que o réu, cujo nome completo não foi revelado devido às regras de divulgação de julgamentos alemãs, só está parcialmente capacitado para ser julgado, e as sessões serão limitadas a duas horas e meia por dia.

No início do julgamento, seu advogado segurou uma pasta azul para ocultar o rosto do cliente quando ele foi levado ao tribunal de Neuruppin, perto de Berlim.

Algumas pessoas detidas em Sachsenhausen foram assassinadas com o gás venenoso Zyklon-B, também usado em outros campos de extermínio onde milhões de judeus foram mortos no Holocausto.

Sachsenhausen abrigou predominantemente prisioneiros políticos de toda a Europa, além de prisioneiros de guerra soviéticos e alguns judeus.

"É muita emoção... nem consigo falar", disse Antoine Grumbach, de 79 anos, antes de se virar repentinamente ao ser vencido pelas lágrimas. Seu pai, um combatente da resistência francesa, morreu no campo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos