Ex-ministra de esquerda se candidata à presidência da França e propõe 5 mil reais de renda para estudantes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Emmanuel Macron
    Emmanuel Macron
    Político, funcionário público e banqueiro francês, 25.º Presidente da França

A ex-ministra da Justiça francesa Christiane Taubira se lançou oficialmente como candidata às eleições presidenciais de abril na França. Ela tem o objetivo ambicioso de unir a esquerda, que já tem ao menos oito candidatos declarados para suceder a Emmanuel Macron no Palácio no Eliseu. A três meses do primeiro turno, nenhum postulante da esquerda alcança 10% das intenções de voto.

Em um discurso realizado neste sábado (15) em Lyon, no sudeste da França, Christiane Taubira disse que deseja dar uma resposta à "raiva" dos franceses e às "injustiças sociais". Ela defende um governo "que saiba dialogar, em vez de dar lição de moral". "E faremos isso juntos, porque somos capazes", acrescentou. A ex-ministra afirmou que o país precisa de "um novo contrato social" e de um Palácio do Eliseu "livre de fantasias monárquicas".

Ministra do ex-presidente socialista François Hollande, Taubira, de 69 anos, nasceu no território da Guiana Francesa. Foi candidata na eleição presidencial de 2002, obtendo 2,3% dos votos. Na corrida de 2022, ela se apresenta dentro de uma iniciativa cidadã que busca lançar um candidato único da esquerda.

Porém, apesar do forte desejo da militância de estar representada por um único concorrente indicado pelas bases, Anne Hidalgo, Yannick Jadot e Jean-Luc Mélenchon já anunciaram não ter interesse em aderir à iniciativa e continuarão com suas campanhas, qualquer que seja o resultado das primárias. Além de todos os nomes citados, ainda participam da corrida o comunista Fabien Roussel e Arlette Laguiller, líder do pequeno partido trotskista Luta Operária.


Leia mais

Leia também:
Ômicron perturba campanha presidencial francesa, mas pode ser luz no fim do túnel da pandemia
Eleições francesas: esquerda hesita em escolher candidatura única para ter chances contra Macron
Como seria um segundo mandato de Emmanuel Macron na França?

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos