Ex-ministro francês anuncia saída da vida pública em meio a acusações de estupro e assédio sexual

·1 min de leitura

O ex-ministro do Meio Ambiente francês, Nicolas Hulot, anunciou nesta quarta-feira (24) que vai deixar definitivamente a vida pública. Hulot, de 66 anos, é acusado por diversas mulheres de assédio sexual e de estupro. O ecologista negou as acusações durante uma entrevista e afirmou que vai abandonar também a presidência de sua ONG.

A primeira denúncia veio a público em 2018, quando Hulot era ministro do governo de Emmanuel Macron. Na época, uma reportagem revelou que a neta do presidente François Mitterrand denunciou Hulot por estupro em 2008.

Pascale Mitterrand relatou à revista Ebdo ter sido abusada sexualmente na casa de Hulot, na ilha da Córsega, em junho de 1997, quando tinha 20 anos. Ele já era o conhecido apresentador do programa de TV Ushuaia, enquanto ela iniciava sua vida profissional. À revista, ela explicou ter decidido prestar queixa à polícia apenas 11 anos depois dos fatos porque, com o crime prescrito, o caso não teria repercussão para a família.

Com a investigação arquivada, o caso teve repercussão limitada naquele momento. Poucos meses depois, Hulot deixou o governo de Macron, criticando as decisões do presidente em relação à legislação sobre caça.


Leia mais

Leia também:
França: vítimas de assédio sexual de apresentador de TV criam o #MeTooMedia
Tenista chinesa que denunciou estupro reaparece em público, mas imagens não convencem
Universidade francesa de elite é investigada por mais de 100 estupros ou agressões sexuais de estudantes

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos