Ex-ministros copiam Bolsonaro e faltam a passagem de cargo à equipe de Lula

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os ministros do governo Jair Bolsonaro (PL) seguiram o exemplo do agora ex-presidente e não compareceram às cerimônias de transmissão de cargo dos sucessores de suas pastas, nesta segunda-feira (2).

Quebrando a tradição, Bolsonaro não foi à posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no domingo (1º) e não passou a faixa presidencial ao novo chefe do Executivo. O petista recebeu a faixa de um grupo de pessoas que representou a diversidade do povo brasileiro, enquanto o ex-presidente está nos Estados Unidos.

Nesta segunda, 16 dos 37 ministros de Lula fizeram solenidades de posse em suas respectivas pastas. As solenidades dos demais ministros estão marcadas para os próximos dias.

A grande maioria dos antecessores não esteve presente para transmitir o cargo.

As exceções foram as cerimônias de posse do novo comandante da FAB (Força Aérea Brasileira), brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno, e do ministro de Relações Exteriores, Mauro Vieira.

Nos dois casos, os antecessores --brigadeiro Baptista Junior e o diplomata Carlos França-- participaram das solenidades.

O ex-ministro da Agricultura Marcos Montes (PSD) não participou da posse do novo ministro da pasta, Carlos Fávaro (PSD), apesar de serem próximos e integrarem o mesmo partido.

Montes, no entanto, foi representado pelo ex-secretário-executivo da pasta, Márcio Eli Almeida. Em um gesto simbólico de transmissão do cargo, Eli colocou no terno de Fávaro o broche do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Bolsonaro iniciou seu mandato com 22 ministros. Em janeiro de 2019, diversos ministros do governo Michel Temer (MDB) compareceram às solenidades para entregarem seus cargos aos sucessores.

Houve, no entanto, exceções, como Gilberto Kassab, ex-ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, que não foi à cerimônia de posse de Marcos Pontes (PL). A justificativa é que Kassab iria assumir a Casa Civil no Governo de São Paulo e, portanto, não poderia estar presente.

Ainda assim, a transmissão do cargo aconteceu de forma simbólica. Em 28 de dezembro de 2018, Kassab entregou o cargo a Pontes num evento antecipado.

Da mesma forma em que a ausência de Bolsonaro deu margem para a entrega da faixa por populares, as solenidades de posse dos ministros de Lula também tiveram adaptações simbólicas para contornar a falta dos titulares anteriores das pastas.

Na posse de Camilo Santana (PT) no Ministério da Educação, por exemplo, representantes da UNE (União Nacional dos Estudantes) e da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) entregaram um broche da pasta ao ministro.

A cerimônia não contou com a presença do agora ex-ministro Victor Godoy Veiga.

Já na solenidade em que Alexandre Silveira (PSD) tomou posse no Ministério de Minas e Energia, o ex-ministro Bento Albuquerque, que chefiou a pasta até maio passado, estava na plateia. Mas o antecessor imediato, Adolfo Sachsida, não.

Muitos dos ministros que tomaram posse nesta segunda fizeram discursos críticos ao governo anterior, assim como Lula no domingo. Por isso, a presença dos antecessores nem foi cogitada na maioria das cerimônias.

A nova ministra da Saúde, Nísia Trindade, criticou a gestão de Bolsonaro e ressaltou a importância de trabalhar a ciência e religião de uma outra forma. Ela citou o educador Paulo Freire, que costuma ser alvo de ataques de bolsonaristas. Também mencionou a situação na Saúde mapeada pela equipe de transição.

Márcio Macêdo (PT), que assumiu a Secretaria-Geral da Presidência da República, disse em seu discurso que a gestão de Bolsonaro "destruiu conselhos e acabou com as conferências" e que "chegou a hora de deixar para trás o passado recente de ódio e intolerância que não faz bem a nenhuma democracia".

Na mesma linha, Alexandre Padilha (PT), ao assumir a Secretaria de Relações Institucionais, referiu-se a Bolsonaro como "o presidente que fugiu" e pregou mudança.

"Não existe alguém aqui que vai falar de metralhada contra a oposição. Essa época acabou", disse.

O ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB), fez um discurso com vários recados a bolsonaristas e manifestantes que atuam em atos antidemocráticos. Dino afirmou que atos terroristas e delitos contra o Estado democrático de Direito são "crimes políticos gravíssimos".

Ele também agradeceu ao presidente Lula e abordou as ameaças anteriores à posse de que o petista não subiria a rampa do Palácio do Planalto. "Subiu a rampa e de lá governa a nossa nação. Lamento muito por todos que apostaram contra e hoje estão pagando a aposta", afirmou.

As declarações dos ministros seguiram o tom dos pronunciamentos de Lula na sua posse, no domingo. A rejeição de políticas de Bolsonaro foi uma das principais marcas dos discursos do petista. De um lado, o petista fez a promessa de governar para todos os brasileiros, não só para seus eleitores, e descartou revanchismo.

De outro, fez duras críticas à gestão Bolsonaro (usou palavras como "devastação", "desmonte" e "destruição") e atacou "a minoria violenta e antidemocrática" que "tentava censurar nossas cores e se apropriar do verde-amarelo".

Lula também disse na ocasião que não abrirá mão de responsabilizações: "Não carregamos nenhum ânimo de revanche contra os que tentaram subjugar a nação a seus desígnios pessoais e ideológicos, mas vamos garantir o primado da lei. Quem errou responderá por seus erros, com direito amplo de defesa, dentro do devido processo legal".

Em seu segundo discurso, no parlatório, apoiadores do petista gritaram "sem anistia" após Lula ler trecho de um relatório produzido pela equipe de transição com um diagnóstico do país sob Bolsonaro.