Ex-mulher de Bolsonaro tem carro apedrejado e casa pichada no DF

Casa de ex-mulher de Bolsonaro é pichada no DF - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Casa de ex-mulher de Bolsonaro é pichada no DF - Foto: Reprodução/Redes Sociais

A ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (PL), a advogada Ana Cristina Valle, teve a casa pichada nesta quinta-feira (29) com a inscrição "morte ao Bolsonaro" e o carro da candidata a deputada no Distrito Federal pelo Partido Progressistas (PP), foi apedrejado. Ela mora no Lago Sul, região nobre de Brasília.

A Polícia Militar foi acionada e compareceu ao local, juntamente com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), responsável pela segurança do presidente e de seus familiares. As informações foram confirmadas pela assessoria de imprensa do GSI.

A assessoria da candidata informou que o ataque ocorreu quando Cristina e sua equipe estavam na porta de casa para irem a um comício.

O filho de Ana Cristina e do presidente, Jair Renan Bolsonaro, publicou uma foto da pichação em sua conta no Instagram.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

"Picharam a porta da minha casa em represália não só a minha mãe que é candidata a deputada distrital, que automaticamente se percebe o ódio entregue gratuito à família Bolsonaro", escreveu ele.

Jair Renan Bolsonaro, que é o quarto filho do chefe do Executivo, fez apenas uma publicação na rede social e não deu mais detalhes do ocorrido.

A casa, onde aconteceu a pichação, onde os dois moram, foi envolvida recentemente em uma polêmica. A Polícia Federal (PF) solicitou a abertura de um inquérito para investigar a compra do imóvel, afirmando que a aquisição seria "aparentemente incompatível" com renda de Cristina enquanto trabalhava como assessora parlamentar e que a transação teria sido feita "por meio de pessoa interposta".

Ana Cristina, se mudou no ano passado para o local, que fica em uma região nobre de Brasília.

Na ocasião, ela disse ao portal UOL e à revista Veja que alugava o imóvel — avaliado em R$ 2,9 milhões. Agora, contudo, declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ser a dona da casa, que disse custar R$ 829 mil, abaixo do valor de mercado.