Ex-participante do 'Bake off Brasil' agradece apoio de internautas após cair em golpe

·3 minuto de leitura
Ex-participante do 'Bake-off' afirma ter sido vítima de golpe e estupro
Ex-participante do 'Bake-off' afirma ter sido vítima de golpe e estupro

Murilo Marques recebeu apoio de internautas depois de relatar, na última semana, que foi vítima de um golpe após marcar um encontro em um aplicativo de relacionamentos. ''As mensagens de apoio tem sido reconfortantes, muito obrigado pelas palavras de empatia'', escreveu o ex-participante do ''Bake off Brasil'' no Twitter.

Na última sexta-feira, Murilo fez um longo relato no Twitter sobre um golpe que teria sido aplicado sobre ele por um garoto de programa. O ex-participante do ''Bake-off Brasil'' afirmou que foi dopado, violado e roubado por um rapaz que conheceu na internet e que convidou para sua casa.

''Eu moro sozinho no Copan, no centro de São Paulo. Ele chegou, me cumprimentou e o ato começou a rolar. Rapidinho ele parou, se vestiu e anunciou que era garoto de programa e que precisava receber o pagamento e que eu deveria dar o dinheiro. Eu disse que não tinha dinheiro'', explicou Murilo no microblog.

Murilo avisou que não contratou um garoto de programa, mas o rapaz sacou uma máquina de cartão de crédito e exigiu o pagamento pelo encontro. O engenheiro químico ainda relatou que ''começou a se sentir tonto'' e afirmou ter sido dopado.

''Ele começou a se exaltar dizendo que queria receber o dinheiro dele, esse diálogo rolou e eu cada vez com mais dificuldade de organizar minhas ideias, já imaginando que estava drogado. Cada vez mais agressivo e gritando comigo'', relatou ele.

Ainda segundo o rapaz, o homem desconhecido o forçou a passar a senha de todos os cartões de crédito na máquina e, quando ele se recusou, foi agredido. Ao todo, Murilo perdeu cerca de R$ 40 mil. No Twitter, Murilo relatou que dois dos quatro bancos onde tem conta já se pronunciaram sobre seu caso e prometeram devolver a quantia roubadda nesta segunda-feira.

''Em uma das tentativas eu errei a senha e disse que precisava olhar no celular, ele gritava que não era para mexer no celular e pegou o aparelho. Mais uma vez fui forçado a passar uma senha, dessa vez a do celular. Apesar de tonto e desnorteado eu estava de pé, e a essa altura já sabia que havia sido dopado e havia apanhado. Estava reunindo toda minha energia para tentar me proteger. Pedi para gente descer a um caixa eletrônico para sacar dinheiro e ele ir embora, fui até minha cômoda para pegar uma camiseta e ele voltou a ser bem agressivo. Me agarrou pelo braço, jogou um pó branco em cima dessa mesma cômoda, disse que era cocaína e me mandou cheirar. Eu só conseguia responder que não queria, mas ele insistia e ameaçou quebrar meu braço se eu não aceitasse. Eu resisti e, talvez pelo meu estado, ele não seria capaz de me forçar a cheirar'', contou o confeiteiro.

Depois de recusar a droga, Murilo afirma que foi jogado na cama e estuprado pelo homem. Após o ato, o desconhecido fugiu com seu celular e o engenheiro conseguiu pedir ajuda a um vizinho e para o namorado, com quem tem um relacionamento aberto. ''O agressor levou meu celular, mas eu consegui pedir ajuda pelo whatsapp logado no computador antes do aparelho perder o sinal. Os meninos correram para me acolher e me ajudaram a bloquear os cartões, mas eu ainda estava incapaz de entender o tamanho do estrago.''