Ex-tucano, Gustavo Franco diz que no Novo não precisa mais ser dissidência

1 / 1
Ex-tucano, Gustavo Franco diz que no Novo não precisa mais ser dissidência

GABRIELA SÁ PESSOA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As cerca de mil pessoas que lotaram neste sábado (18) o auditório subterrâneo do hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, eram a nova "casa" do economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central no governo FHC e um dos idealizadores do Plano Real.

Ao menos, foi assim que ele se dirigiu à militância do Partido Novo, que se reúne em sua convenção nacional. Do encontro, deve sair a oficialização da pré-candidatura à Presidência do banqueiro João Amoêdo, fundador da sigla.

"Me sinto em casa como há muito não me sentia", disse Franco, comentando sua posição econômica liberal.

"Hoje não preciso mais ser dissidência de coisa alguma."

Franco recentemente migrou do PSDB para o Novo. À reportagem, em outubro, afirmou que os tucanos estavam sendo ambíguos em relação a suas ideias para o mercado. Também disse que a crise em torno do senador Aécio Neves, presidente licenciado da legenda, pesou.

Com a ajuda de uma apresentação em Power Point, Franco apresentou as linhas do pensamento econômico do partido, que serão formuladas na Fundação Novo, a ser dirigida por ele.

Criticou a existência de um "capitalismo de quadrilhas" no país e a dificuldade de empreender.

Defendeu a "simplificação do Estado", que "não é um fim em si mesmo nem tem que ser um peso". E outras bandeiras do Novo, como a privatização "de forma agressiva, sem exceções" de empresas públicas a fim de cobrir a dívida do país.

Também defendeu maior abertura para o capital estrangeiro e a continuidade de reformas no sistema previdenciário e trabalhista.

Franco, por ora, cuidará da Fundação Novo, responsável pela interlocução entre os dolosos e por estabelecer as diretrizes da legenda.

Amoêdo, no entanto, não descarta a participação do economista em sua campanha eleitoral e em seu governo, caso seja eleito.