Ex-vendedor de sinal, Du Farol MC se lança na música com Nego do Borel: 'Sentiu na carne a pobreza, como eu'

Naiara Andrade
1 / 5

Du-Farol-e-Nego-do-Borel

Du Farol MC e Nego do Borel: encontro transformador

“Gostei desse nome que ele me deu, porque lembra onde eu aprendi tudo, ganhei a vida. Pra mim, farol significa luz. Uma luz que ninguém pode apagar, só Deus”, discursa Roberth Sales, agora Du Farol MC, rebatizado e apadrinhado por Nego do Borel. Nesta quinta-feira (19), o ex-vendedor de amendoim e ex-malabarista de sinal de trânsito foi lançado na carreira artística ao lado do funkeiro, no clipe de “É sim ou não BB”.

 

— Du Farol tem molejo, tem talento. O moleque é bom! Essa música fala um pouco da história dele com a mãe do seu filhinho. Os pais dela foram contra o relacionamento, mas eles viveram muita coisa juntos — detalha Nego, que cedeu aos apelos do rapaz de 23 anos quando, no último dia 4, o morador de Duque de Caxias ficou aguardando no estacionamento da academia frequentada pelo artista para “dar o papo reto”: — Ele me pediu uma chance de mostrar seu funk, eu curti. Como ele não tinha telefone, o levei no mesmo dia para gravar no estúdio. Ele veio aqui pra casa, tomou banho, ganhou umas peças de roupa... Agora, chegou um iPhone de presente pra ele bombar o Instagram que criamos. Já tem mais de cem mil seguidores!

 

Por oito anos (“Desde a inauguração do BRT”, ele conta), Roberth ganhou a vida no sinal de trânsito em frente ao shopping Vogue Square.

— No início, eu juntava uns R$ 60 por dia vendendo paçoca e amendoim com os amigos, mas era muito destratado. Tinha gente que jogava os pacotinhos longe, quando eu colocava no retrovisor. Aí, com o tempo, ganhei a confiança dos motoristas e consegui pagar meu aluguel e comprar umas coisinhas pra dentro de casa. Com os malabares, mostrei um lado artístico meu, mas minha vontade sempre foi fazer música, desde criança — conta o quarto entre os cinco filhos de um pedreiro e uma pastora: — Saí de casa aos 12 anos quando meus pais se separaram, para tentar uma vida melhor. Já fui peão de obra e lavei barco. Foi só correria. Mas sabia que Deus ia me abençoar um dia.

 

Na rua, Du Farol teve a chance de ser ajudado por muitos outros famosos:

— Luciano Huck, Xuxa, Marina Ruy Barbosa, Malvino Salvador, Pedro Scooby... Todos esses ídolos me deram atenção e presentes. Mas eu sabia que o Nego é quem ia transformar tudo, fazer acontecer. Porque ele sentiu na carne a pobreza, como eu — expõe o mais novo artista da música popular: — Na minha vizinhança, a criançada vibra quando tira uma foto comigo. É bom ser referência.

Da amizade com a cria do Morro do Borel surgiu a oportunidade de Roberth passar por experiências inéditas. Entre elas, assistir a um jogo do Flamengo no Maracanã e viajar de avião.

— A emoção de ver de perto o meu time ganhar do Botafogo foi grande. Mas o nervoso que eu passei voando foi maior. Pedi perdão a Deus por todos os pecados de quem estava ali comigo, para o avião não cair — lembra.

 

Empresário de Du Farol, Nego tem apostado todas as suas fichas no novato:

— Vamos conseguir dar uma vida melhor pra ele quando vendermos os shows (após o lançamento do clipe, cerca de 20 contratantes procuraram o escritório). Ele só me agradece o tempo todo, e eu digo: “Calma, cara, isso é só o começo”.

Agora, a meta do MC é transformar outras vidas:

— Nunca vou me esquecer da rapaziada do farol. E quero dar ao meu filho de 1 ano a vida que nunca tive. Botei o nome de Levi Riquelme antes do nascimento. Sabia que ele seria rico.