Piloto ucraniano acusado pela Rússia de derrubar avião da Malaysia se suicida

Kiev, 18 mar (EFE).- O piloto ucraniano Vladislav Voloshin, a quem a Rússia tinha acusado de derrubar em 2014 o voo MH17 da Malaysia Airlines, se suicidou neste domingo em sua casa da cidade ucraniana de Mikolaiv, segundo informaram os meios de comunicação locais.

"A família estava em casa com o homem e sua esposa escutou um disparo do quarto. A vítima foi hospitalizada com urgência, mas morreu no hospital devido à gravidade dos ferimentos", afirma um comunicado da polícia.

Segundo o portal ucraniano NikVesti, que cita fontes policiais, o piloto de 29 anos utilizou uma pistola de combate sem número de licença para suicidar-se.

Além disso, seus familiares asseguraram que nos últimos anos Voloshin - que era diretor do aeroporto regional de Mikolaiv - estava "deprimido" e tinha expressado "intenções inquietantes".

A Rússia acusava Voloshin pela tragédia do voo MH17 da Malaysia Airlines, que foi abatido em julho de 2014 enquanto sobrevoava o leste da Ucrânia e custou a vida das 298 pessoas, em sua maioria holandesas, que estavam a bordo.

No entanto, mais tarde uma investigação realizada pelas autoridades holandesas desmentiu essa versão. EFE