Exames de coronavírus distribuídos pelos EUA não funcionam bem

Os CDC desenvolveram um kit de diagnóstico do COVID-19 e começaram, em 5 de fevereiro, a enviá-los a laboratórios certificados nos Estados Unidos, em cada um dos 50 estados, e em cerca de 30 outros países

Os exames para diagnóstico do novo coronavírus desenvolvidos e distribuídos pelos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos não funcionam bem, disse uma diretora do organismo nesta quarta-feira.

Os CDC desenvolveram um kit de diagnóstico do COVID-19 e começaram, em 5 de fevereiro, a enviá-los a laboratórios certificados nos Estados Unidos, em cada um dos 50 estados, e em cerca de 30 outros países para acelerar a detecção local de casos.

Mas os laboratórios nos Estados Unidos descobriram, durante o procedimento padrão de verificação dos testes, que é possível chegar a resultados não conclusivos, tanto positivos como negativos.

"Alguns estados obtiveram resultados de laboratório não conclusivos", disse Nancy Messonnier, diretora de doenças respiratórias nos CDC.

"Achamos que um dos três reagentes não funciona de maneira uniforme", detalhou. "Por isso, estamos em processo de voltar a fabricar este reagente", acrescentou.

O governo dos Estados Unidos informou nesta terça-feira que 36 países tinham encomendado o kit - que permite testar entre 700 e 800 amostras.

Após ter informado que os kits já estavam sendo entregues a laboratório internacionais, os CDC disseram à AFP nesta quarta-feira que eles não foram enviados devido ao problema encontrado nos EUA.

Enquanto isso, todos os exames americanos continuam sendo realizados em Atlanta, sede central dos CDC.

Até então, os Estados Unidos têm 13 casos confirmados do COVID-19.