Ex-assessora de Flávio Bolsonaro era vizinha de Queiroz e famílias era próximas

·3 minuto de leitura
Flavio Bolsonaro ao lado do ex-assessor Fabricio Queiroz - Foto: Reprodução
Flavio Bolsonaro ao lado do ex-assessor Fabricio Queiroz - Foto: Reprodução

Na última semana, o Ministério Público apresentou à Justiça uma denúncia contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) pela prática de rachadinha. O crime teria sido cometido quando ele era deputado estadual pelo Rio de Janeiro.

A denúncia foi feita após o depoimento de Luiza Souza Paes, que assumiu ser funcionária fantasma do gabinete de Flávio. Segundo reportagem do Fantástico, Luiza era vizinha de Fabrício Queiroz, apontado como operador do esquema de repasse de dinheiro. O pai dela era amigo de Queiroz, os dois integravam o mesmo time de futebol amador.

Outra ligação entre o pai de Luiza, Fausto Antunes Paes, e o gabinete de Flávio foi uma homenagem feita pelo então senador a ele na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A funcionária fantasma devolvia a maior parte do salário recebido, além dos valores referentes a férias, vale-alimentação, férias, 13º e até restituição do imposto de renda. Ela chegou a transferir R$ 155 mil reais ao longo do tempo que trabalhou na Alerj, um total de 5 anos.

Segundo o MP, outros 11 funcionários, além de Luiza, também transferiam a maior parte dos valores que ganhavam para Queiroz. Quando recebiam os salários, sacavam os valores em dinheiro e faziam depósitos em quantias pequenas para o operador do esquema, que movimentou mais de R$ 6 milhões em 11 anos.

Leia também

Os celulares dos envolvidos foram rastreados e mostraram que a maioria dos funcionários fantasmas foram a Alerj poucas vezes durante os anos de contrato.

O Fantástico revelou que Flávio e a esposa faziam diversos pagamentos em dinheiro vivo: viagens, pagamento de funcionários e até compra de apartamentos. Mesmo com uma vida confortável, as contas de Flávio Bolsonaro no cartão de crédito eram de, aproximadamente, R$ 200.

REVELAÇÃO

Mensagens entre Luiza e o pai foram mostradas pela TV Globo e expõe o nervosismo de Fausto Antunes ao ver que o esquema envolvendo Queiroz estava sendo denunciado. “Caraca! Tu viu alguma parte do Jornal Hoje, hoje de tarde? Bateu direto naquele negócio do Queiroz (...) Direto isso, a foto dele estampada na tela do jornal hoje. Agora deu ruim!”, dizia a mensagem enviada em dezembro de 2018.

O pai se mostrar preocupado em tirar a filha do centro da situação. Em maio de 2019, Luiza escreveu a Fausto que o sigilo bancários dos envolvidos tinha sido quebrado – e o dela provavelmente também. “Já vi e já estragou meu dia isso”, respondeu.

Foi, então, que Luiza decidiu colaborar com o Ministério Público e contar sobre todo o esquema das rachadinhas no gabinete de Flávio.

Na denúncia apresentada pelo MP, 17 pessoas são alvo. Entre elas a mulher e a mãe do ex-PM Adriano da Nobrega, morto em uma operação policial na Bahia em fevereiro de 2020. Ele também estaria envolvido no esquema e teria repassado R$ 400 mil a Queiroz.

Os envolvidos podem responder por lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato, que corresponde ao desvio de dinheiro público. As penas podem chegar a 12 anos de prisão.

O Fantástico procurou todas as pessoas citadas na reportagem. A defesa de Fabrício Queiroz nega que as acusações sejam verdadeiras. Já Flávio Bolsonaro e a esposa, Fernanda Bolsonaro, alegam que a denúncia é uma “crônica macabra e mal engendrada” e que vão se manifestar quando forem notificados pela Justiça.

A defesa de Luiza Souza Paes disse que a ex-funcionária fantasma ainda não foi notificada e não comentaria o caso.