EXCLUSIVO-EUA avaliam sanções à China para impedir ação em Taiwan, que pressiona UE

Ilustração mostra bandeiras de China e Taiwan

Por Ben Blanchard e Yimou Lee e John O'Donnell e Alexandra Alper e Trevor Hunnicutt

TAIPÉ/FRANKFURT/WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos estão considerando opções para um pacote de sanções contra a China para impedi-la de invadir Taiwan, com a União Europeia sob pressão diplomática de Taipé para fazer o mesmo, segundo fontes familiarizadas com as discussões.

As fontes disseram que as deliberações em Washington e o lobby separado de Taipé com enviados da UE estavam em um estágio inicial - uma resposta aos temores de uma invasão chinesa que cresceram à medida que as tensões militares aumentam no Estreito de Taiwan.

Em ambos os casos, a ideia é aplicar sanções além das medidas já tomadas no Ocidente para restringir algum comércio e investimento com a China em tecnologias sensíveis como chips de computador e equipamentos de telecomunicações.

As fontes não forneceram detalhes sobre o que está sendo considerado, mas a ideia de sanções à segunda maior economia do mundo e um dos maiores elos da cadeia de suprimentos global levanta questões de viabilidade.

"A possível imposição de sanções à China é um exercício muito mais complexo do que sanções à Rússia, dado o extenso envolvimento dos EUA e aliados com a economia chinesa", disse Nazak Nikakhtar, ex-autoridade sênior do Departamento de Comércio dos EUA.

A China reivindica Taiwan como seu próprio território e no mês passado disparou mísseis sobre a ilha e colocou navios de guerra em sua fronteira marítima não oficial depois que a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, visitou Taipé, no que Pequim viu como uma provocação.

O presidente chinês, Xi Jinping, tem prometido colocar a democraticamente governada Taiwan sob o controle de Pequim e não descartou o uso da força. Ele deve garantir um terceiro mandato de liderança de cinco anos em um congresso do Partido Comunista no próximo mês. O governo de Taiwan rejeita veementemente as reivindicações de soberania da China.

Respondendo à notícia sobre o pacote de sanções, uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores em Pequim alertou contra a subestimação da China.

"Quero enfatizar que qualquer país ou pessoa não deve subestimar a forte determinação e a firme vontade do governo e do povo chinês em defender a soberania nacional, a integridade territorial e realizar a reunificação da pátria", disse a porta-voz, Mao Ning, nesta quarta-feira.

Autoridades em Washington estão considerando opções para um possível pacote de sanções contra a China para impedir Xi de tentar invadir Taiwan, disseram uma autoridade dos EUA e uma autoridade de um país em estreita coordenação com Washington.

As negociações dos EUA sobre sanções começaram depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro, mas ganharam nova urgência após a reação chinesa à visita de Pelosi, segundo as duas fontes.

Os Estados Unidos, apoiados por aliados da Otan, adotaram uma abordagem semelhante à Rússia em janeiro com uma ameaça de sanções não especificadas, mas isso não conseguiu dissuadir o presidente russo, Vladimir Putin, de lançar sua invasão na Ucrânia.

A Casa Branca está focada em colocar os países na mesma página, incluindo a coordenação entre a Europa e a Ásia, e evitar provocar Pequim, disse a autoridade não norte-americana.

A Reuters não conseguiu obter detalhes sobre quais sanções específicas estavam sendo consideradas, mas alguns analistas sugeriram que os militares da China poderiam ser o foco.

"O panorama geral, as conversas iniciais sobre sanções provavelmente girarão em torno de restringir o acesso da China a certas tecnologias necessárias para sustentar uma operação militar contra Taiwan", disse Craig Singleton, da Foundation for Defense of Democracies.

A Casa Branca se recusou a comentar.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que discutiu os recentes jogos de guerra da China e os "grandes desafios" que a China representa para Taiwan e a região com EUA, Europa e outros parceiros com ideias semelhantes, mas não poderia divulgar detalhes.