EXCLUSIVO-Tentativa dos EUA de obter mais doses de ampola de vacina da Pfizer esbarra em falta de seringas

Carl O'Donnell
·2 minuto de leitura
Seringas com doses de vacina Pfizer-BioNTech contra Covid-19 em hospital de Bruxelas

Por Carl O'Donnell

(Reuters) - O maior fabricante mundial de seringas não tem capacidade de aumentar substancialmente o fornecimento aos Estados Unidos de seringas especiais necessárias para extrair mais doses de ampolas da vacina contra Covid-19 da Pfizer nas próximas semanas, disse um executivo em uma entrevista.

A vacina feita pela Pfizer e por sua parceira alemã BioNTech, uma das duas autorizadas para uso emergencial nos EUA, é despachada em ampolas indicadas inicialmente para conter cinco doses, mas seis doses podem ser obtidas com seringas especiais, chamadas de espaço morto baixo, que minimizam a quantidade de vacina que sobra na seringa após o uso.

Se os profissionais de saúde puderem extrair a sexta dose com eficácia, isso permitiria que os suprimentos aumentassem 20% e poderia ser um reforço financeiro para a Pfizer, que é paga por dose.

O governo dos EUA começou a dar novos conjuntos de seringa a profissionais de saúde para extrair seis vacinas de cada ampola, e disse que três das seringas de espaço morto baixo em cada conjunto de seis agulhas permitirá a extração, de acordo com um email analisado pela Reuters.

Uma porta-voz do Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) disse que os novos conjuntos contêm uma "maioria" de seringas de espaço morto baixo.

O fabricante de seringa Becton Dickinson fez um acordo com o governo dos EUA para fornecer 286 milhões de seringas para vacinas contra Covid-19, incluindo cerca de 40 milhões de seringas de espaço morto baixo, e está totalmente preparado para cumpri-lo, disse Troy Kirkpatrick, diretor de relações públicas sênior da empresa.

As seringas de espaço morto baixo são um produto de nicho, e a Becton Dickinson não debateu os planos com o governo norte-americano para aumentar substancialmente sua produção quando começou a se preparar para a distribuição da vacina no ano passado, disse.

"Estamos prontos para apoiar o governo dos EUA, mas estamos tentando fazer com que todos entendam que estes produtos não são algo que temos uma capacidade infinita de produzir, e preparar linhas novas toma tempo", explicou Kirkpatrick.

A empresa sediada em Nova Jersey é a maior fabricante mundial de seringas e agulhas, de acordo com a 360iResearch, e Kirkpatrick disse que ela aumentou a produção geral em cerca de 1 bilhão de seringas para 2021.