EXCLUSIVO-TikTok congela contratações para possível acordo de segurança nos EUA

Logotipo do TikTok nos EUA

Por Echo Wang

(Reuters) - O TikTok suspendeu a contratação de consultores que o ajudariam a implementar um possível acordo de segurança com os Estados Unidos, segundo duas pessoas a par do assunto, à medida que cresce a oposição a um acordo entre as autoridades norte-americanas.

O aplicativo de vídeos curtos de propriedade do grupo chinês ByteDance vem tentando assegurar aos EUA nos últimos anos que os dados pessoais de cidadãos norte-americanos não podem ser acessados e que seu conteúdo não pode ser manipulado pelo Partido Comunista da China ou outra entidade sob influência de Pequim.

O presidente dos EUA, Joe Biden, revogou em 2021 um decreto de seu antecessor Donald Trump que proibia o TikTok no país, mas as negociações entre seu governo e a empresa de mídia social continuam sobre um possível acordo que pouparia a ByteDance de ser forçada a vender o TikTok.

Como parte das negociações, o TikTok montou um programa para garantir ao governo dos EUA que cumprirá seu acordo de segurança.

O programa envolve a contratação de um monitor terceirizado, um inspetor de código-fonte e três auditores, incluindo um dedicado à segurança cibernética e outro para garantir que os dados de usuários dos EUA nos servidores atuais do TikTok sejam excluídos após migração para a Oracle , segundo duas fontes. Essas posições seriam pagas pelo TikTok, mas se reportariam a funcionários do governo dos EUA.

O TikTok enviou pedidos de propostas para algumas dessas funções em dezembro, com o objetivo de apresentar possíveis candidatos para aprovação ao Comitê de Investimentos Estrangeiros nos EUA (CFIUS).

No entanto, o TikTok informou depois aos consultores que disputam algumas dessas funções que o processo de contratação está suspenso e que os atualizará até o final de janeiro sobre se será reiniciado, disseram as fontes.

Como argumento, o TikTok citou "desenvolvimentos recentes", sem dar mais detalhes, disse uma das fontes.

Não ficou claro a que desenvolvimentos o TikTok se referia, mas a decisão ocorreu após a admissão, em dezembro, de que alguns de seus funcionários acessaram indevidamente dados de usuários do TikTok de dois jornalistas em uma tentativa de identificar a fonte de vazamentos de informações para a mídia.

Essa revelação incomodou autoridades dos EUA que apoiavam um acordo de segurança com o TikTok e deu força aos que pedem que Biden exija que a ByteDance venda o aplicativo.

Ainda não está claro quando o governo dos EUA tomará uma decisão sobre o futuro do TikTok.

Uma porta-voz do TikTok confirmou que a empresa interrompeu o processo de contratação de fornecedores de segurança terceirizados porque o CFIUS ainda não aprovou o contrato de segurança. O TikTok esperava que já tivesse chegado a um acordo com o governo dos EUA, acrescentou a porta-voz.

O TikTok tomou várias medidas para a apaziguar as preocupações do governo, incluindo um acordo para a Oracle armazenar dados de usuários nos EUA e uma divisão de segurança no país para gerenciar a proteção de dados e a moderação de conteúdo, o que incluiu gastos de 1,5 bilhão de dólares.

Biden assinou uma lei no mês passado proibindo funcionários federais --cerca de 4 milhões-- de usarem o TikTok em dispositivos do governo.

(Reportagem de Echo Wang em Nova York; Reportagem adicional de David Shepardson, Washington)