Executivo da Apple deleta perfil no Twitter

Phil Schiller, executivo da Apple responsável pela App Store, resolveu excluir seu perfil no Twitter após as polêmicas causadas por Elon Musk (REUTERS/Stephen Lam)
Phil Schiller, executivo da Apple responsável pela App Store, resolveu excluir seu perfil no Twitter após as polêmicas causadas por Elon Musk (REUTERS/Stephen Lam)
  • Executivo responsável pela App Store deletou seu perfil no Twitter;

  • Conta de Phil Schiller foi criada em 2008, nos primórdios da rede comprada por Elon Musk;

  • Executivo costumava partilhar algumas novidades da Apple, juntamente com ideias pessoais.

Phil Schiller, executivo da Apple responsável pela App Store, resolveu excluir seu perfil no Twitter após as polêmicas causadas por Elon Musk.

· Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus e-mails em 1 só lugar

· Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

A conta de Schiller foi criada em 2008, nos primórdios do Twitter. Segundo informações do portal TugaTech, "o executivo costumava partilhar algumas novidades da Apple, juntamente com ideias pessoais. Na data de encerramento, seu perfil contava com cerca de 260 mil seguidores".

Perda de seguidores notáveis

Um relatório interno do Twitter revelou que a plataforma está perdendo seus usuários mais ativos, chamados de "twitters de peso" pela plataforma. Eles representam menos de 10% dos usuários mensais, mas geral 90% de todos tweets e metade da receita global da plataforma.

Segundo o documento internado, intitulado "Para onde foram os tweeters?", os tweeters pesados estão em "declínio absoluto" desde o início da pandemia.

Essa categoria de usuária é definida como alguém que acessa o Twitter seis ou sete vezes por semana e twitta cerca de três a quatro vezes por semana.

Na esfera de língua inglesa da plataforma, uma mudança nos tópicos mais comentados também representa uma ameaça para a receita da empresa.

Tópicos que tornaram o Twitter um site popular para os seus milhões de usuários e que ajudaram a construir a imagem de "praça digital" do mundo estão sumindo, dando lugar para conteúdo de criptomoedas e "NSFW" (Não Seguro Para o Trabalho), que inclui nudez e pornografia.

Koo

À medida que o fim do Twitter, rede social de microblogging existente desde 2006, se torna uma possibilidade maior para seus usuários, muitos estão migrando para o Koo, um aplicativo similar indiano.

A plataforma foi criada pelos indianos Aprameya Radhakrishna e Mayank Bidawatka em 2019 e é bastante popular no país. Segundo estimativas da própria rede, ela já possui 50 milhões de usuários em mais de 200 países.

“Hoje, Koo é o segundo maior microblog do mundo. Dadas as mudanças que estão ocorrendo no cenário de microblog globalmente, estamos procurando expandir nossas asas para geografias onde os direitos fundamentais estão sendo cobrados. Acreditamos que essas ferramentas fundamentais na Internet não devem ter um custo. Estamos muito entusiasmados em convidar um público global maior para este produto orgulhosamente ‘Made in India‘”, disse Bidawatka.