Executivos dos EUA pedem ao Congresso que oficialize vitória de Biden

·2 minuto de leitura
O 117º Congresso dos Estados Unidos assume neste domingo em Washington

Dezenas de executivos americanos proeminentes pediram nesta segunda-feira (4) ao Congresso que oficializasse Joe Biden como o novo presidente dos Estados Unidos, em uma carta conjunta na qual afirmaram que é hora de "o país avançar".

A carta, assinada por mais de 170 executivos de setores que vão de finanças e esportes a tecnologia e mídia, condena qualquer tentativa de frustrar o processo de certificação como "contrário aos princípios essenciais" da "democracia" americana.

“Esta eleição presidencial já foi decidida e é hora de o país seguir em frente”, diz a cópia da carta publicada pelo grupo de defesa empresarial Partnership for New York City. “O Congresso deve certificar a votação do Colégio Eleitoral na quarta-feira, 6 de janeiro”, exigiram os empresários.

Essa medida é geralmente uma formalidade, mas mais de 100 congressistas republicanos e cerca de uma dúzia de membros republicanos do Senado anunciaram planos para apresentar objeções na quarta-feira.

Pelo menos um representante da Câmara Baixa e um membro da Câmara Alta devem se opor à certificação para que o assunto seja debatido e votado no plenário de cada Câmara.

No entanto, uma eventual votação estaria fadada ao fracasso tanto na Câmara Baixa, controlada pelos democratas, e no Senado, de maioria republicana e onde vários senadores republicanos reconheceram a vitória de Biden e disseram que não a contestarão.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, continua a proclamar falsamente sua vitória nas eleições de 3 de novembro.

Trump pediu a seus apoiadores que fossem a Washington nesta quarta-feira, quando o Congresso se reunisse, aumentando o temor de confrontos na capital do país.

"O presidente eleito Joe Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris venceram no Colégio Eleitoral e os tribunais rejeitaram as contestações ao processo eleitoral", disseram os 179 executivos que assinaram a carta.

Com a pandemia da covid-19 ainda desenfreada nos Estados Unidos, "nossos líderes devidamente eleitos merecem o respeito e o apoio bipartidário de todos os americanos em um momento em que enfrentamos as piores crises econômicas e de saúde da história moderna", continuaram os empresários.

Os signatários da carta incluem o diretor de operações da Blackstone, Jonathan Gray; o presidente da Microsoft, Brad Smith; Dexter Goei, CEO da Altice USA, e John Zimmer, cofundador da Lyft.

Os CEOs da Goldman Sachs e American Express Company, juntamente com o CEO da BlackRock, Laurence Fink, e os diretores das Associações Nacionais de Basquete Masculino e Feminino, Adam Silver e Catherine Engelbert, também assinaram o pedido.

Albert Bourla, CEO da gigante farmacêutica Pfizer, responsável pelo desenvolvimento de uma das vacinas contra a covid-19, também está entre os signatários.

gc/st/ad/rsr/am/mvv