Executivos esperam impacto do Open Insurance para 2024, aponta pesquisa

Na visão dos executivos do mercado, o Open Insurance ainda deve demorar anos para ter um impacto significativo. Esse processo envolve investimentos em várias frentes, como adequação regulatória das empresas, investimento em tecnologia e em educação, tanto do mercado como dos clientes.

Open Insurance: Sob influência do Centrão, Susep freia inovações que poderiam baratear seguros

Fundo: Novas ações da Eletrobras estreiam hoje na Bolsa. Veja como dinheiro levantado pode aliviar conta de luz

Defesa do consumidor: Produtos perto da validade com descontos de até 70% em aplicativos ajudam a enfrentar inflação

De acordo com pesquisa feita pela consultoria Capgemini repassada com exclusividade para o GLOBO, a maior parte dos executivos esperam que o Open Insurance passe a impactar o mercado em 2024.

Francisco Galiza, consultor econômico e parceiro da Capgemini na elaboração do estudo, destaca que além da necessidade de investimentos, um dos achados da pesquisa é que o conhecimento da sociedade e dos profissionais do mercado sobre o Open Insurance ainda é baixo, contribuindo para que o horizonte de impacto seja mais longo.

— Um desafio claro é de conhecimento, a gente fez essa pergunta para as empresas, sobre qual o grau de conhecimento que elas têm em relação ao Open Insurance e é muito baixo. Há toda uma trajetória cultural em relação a isso, uma trajetória de compliance, regulatória, das pessoas se adaptarem e isso é uma trajetória de médio e longo prazo — disse.

De volta ao salão: Retomada de eventos e festas lota espaços, e custos sobem até 30%

De acordo com a pesquisa, entre as principais consequências estão a entrada de novas empresas no mercado, de novos produtos, uma distribuição mais diversificada e de manutenção do lucro mesmo com essas mudanças. A visão do mercado, no entanto, é que os preços não devem cair.

O vice-presidente para Serviços Financeiros da Capgemini Brasil, Roberto Ciccone, vê que mais competição implicaria em mais competitividade, mas ressalta que o preço também depende de outros fatores.

— A gente vê lá fora no Open Banking, o valor diferenciado, de personalização a, assessoria, no final o preço vira segundo plano. O preço não ficou comprovado, mesmo os executivos não acham que necessariamente vai cair o prêmio, o lucro deve manter, eles estão confiantes que ou vende mais caro ou reduz o custo — afirmou.

Bancos x fintechs: BC estuda regulação que pode inviabilizar cartões sem tarifa das fintechs

Impacto para pessoas físicas

A pesquisa também apontou que o impacto maior do Open Insurance deve ser para modalidades de seguro mais simples, como de vida e automóvel e para pessoas físicas e pequenas empresas.

Gustavo Leança, líder de Soluções para Seguros na Capgemini Brasil, explica que empresas maiores normalmente precisam de seguros personalizados, mais complexos, o que deve impedir que essas operações sejam feitas por meio do Open Insurance.

CLP: Projeto que limita ICMS é ineficaz para frear alta dos combustíveis

Já no caso das modalidades mais simples e para pequenas empresas, o Open Insurance pode facilitar ainda mais a operação, possibilitando a comparação entre ofertas de seguro e contratação simplificada, por exemplo, por um aplicativo.

— Quando a gente vê um produto como seguro de celular, de repente você vê que em vez da seguradora A você pode ir pra B pelo mesmo preço e é um produto muito simples, você entende o valor do seguro, a tendência de ir para preço é muito maior — apontou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos