Exército usa programa digital para 'pintar' máscaras em soldados aglomerados em treinamento

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Site do Ministério da Defesa mostra foto com máscaras pintadas digitalmente em militares. (Foto: Divulgação/Exército Brasileiro)
Site do Ministério da Defesa mostra foto com máscaras pintadas digitalmente em militares. (Foto: Divulgação/Exército Brasileiro)

O Exército Brasileiro recorreu a um recurso digital para dar a entender que os soldados participantes de um treinamento, em novembro de 2020, seguiam os protocolos de segurança contra a Covid-19. Nas imagens divulgadas pelo portal oficial do Exército, é possível ver soldados utilizando uma “máscara” falsa, aparentemente feita em algum programa digital.

Em uma das imagens, ao menos sete soldados formam um semicírculo em volta de um manequim utilizado para simulações de primeiros socorros. Em um primeiro momento, até parece que todos os homens estão utilizando máscaras, porém, é possível observar que o soldado que faz a manobra no boneco tem um desenho no rosto ao invés do equipamento de proteção.

Leia também

Em outra fotografia, 22 soldaldos posam para foto segurando uma bandeira da Medicina Operativa da Marinha do Brasil. Entre homens e mulheres, ao menos 20 deles não utilizavam uma máscara verdadeira, segundo a imagem.

A descoberta caiu nas graças das redes sociais, e vários usuários publicaram as imagens, que chegaram a ser deletadas do portal oficial do Exército. A galeria com diversas fotos seguem no ar no site da Defesa brasileira.

(Foto: Divulgação/Exército Brasileiro)
(Foto: Divulgação/Exército Brasileiro)

O Exército Brasileiro realiza o treinamento chamado “Adestramento em Suporte Básico de Vida no Trauma (SBVT)”, em parceria com a Marinha, que ocorreu entre os dias 10 e 13 daquele mês. As imagens foram divulgadas, juntamente com um relatório do evento, no dia 19 de novembro.

Ao jornal O Tempo, o Exército Brasileiro não soube explicar o que ocorreu, ou o motivo pelo qual as imagens foram manipuladas. Procurado pelo Yahoo! Notícias, o Exército ainda não se pronunciou.