Exibição de vídeo do ministro da Saúde fazendo gesto obsceno em NY provoca confusão na CPI da Covid

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - Senadores oposicionistas e governistas bateram boca na CPI da Covid após a exibição do vídeo em que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, mostra o dedo do meio a um grupo de brasileiros que protestavam em Nova York contra o presidente Jair Bolsonaro, que está na cidade para a Assembleia Geral da Organização da Naçõe Unidas (ONU). O presidente a CPI, Omar Aziz (PSD-AM), disse que Queiroga está fazendo o país passar vergonha. O senador governista Marcos Rogério (DEM-RO) reagiu dizendo que é a CPI está passando vergonha.

ACOMPANHE:

Um vídeo publicado nas redes sociais mostra o momento em que o ministro, dentro de uma van que transportava a comitiva de Bolsonaro, faz o gesto obsceno.

— Nós estamos numa pandemia e o ministro Queiroga faz a gente passar vergonha fora — disse Omar após a exibição do vídeo.

— A CPI está fazendo isso há tempo — disse Marcos Rogério.

— Passar vergonha? — questionou Omar Aziz.

— Isso. A CPI está fazendo isso desde o começo — respondeu Marcos Rogério.

— Não faça isso não, tenha respeito aos senadores — reagiu o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que não é integrante da comissão, mas costuma participar das reuniões.

Depois disso ouve bate boca.

— É um governo recheado de crimes — disse Contarato, com o dedo em riste em direção a Marcos Rogério.

O governista Luis Carlos Heinze (PP-RS) fez um contraponto.

— Vamos ouvir Wagner Rosário [ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), que preta depoimento nesta terça-feira] para falar falar de corrupção [nos estados]. Não querem falar — disse Heinze.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos