“Existem dois Ernestos, um dos blogs e das redes sociais e outro aqui na CPI”, diz Katia Abreu

·2 minuto de leitura
Kátia Abreu na CPI da Covid (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Kátia Abreu na CPI da Covid (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
  • Senadora Kátia Abreu criticou depoimento de Ernesto Araújo na CPI da Covid: "Memória seletiva, para não dizer leviana"

  • "A impressão que se tem é que existe um Ernesto que fala conosco e outro Ernesto na internet, nos artigos, no blog", disse

  • Ela citou também que agressões do ex-ministro à China prejudicaram o agronegócio brasileiro

Representante da bancada feminina, a senadora Katia Abreu (PP-TO) criticou Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores, em sua fala na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, nesta terça-feira (18). Araújo já havia sido chamado a atenção por "faltar com a verdade" em seu depoimento à CPI.

Ao vivo: Acompanhe o depoimento de Ernesto Araújo na CPI da Covid

"Eu imagino que o senhor tem uma memória seletiva, para não dizer leviana. O senhor não se lembra de nada do que importa ou do que ocorreu."

“Senhor não se lembra de nada do que importa ou do que ocorreu efetivamente. A impressão que se tem é que existe um Ernesto que fala conosco e outro Ernesto na internet, nos artigos, no blog. Qual personalidade devemos considerar? Este aqui mostra um mundo cor de rosa”, disse Kátia Abreu.

Leia também

Sobre as agressões de Ernesto à China, a parlamentar citou dificuldades do agronegócio brasileiro devido a declarações anti-chinesas do ex-chanceler e de membros do governo de Jair Bolsonaro, como o próprio presidente e o seu filho deputado Eduardo Bolsonaro. 

“Temos frigoríficos esperando habilitação. Sabe o que falta? Diplomacia, empatia. Estamos tendo prejuízos, sim. O que tivemos de aumento para a China foi em função do aumento do consumo chinês”.

Em sua fala, a parlamentar afirmou que quer descobrir os “responsáveis pelas mortes dos brasileiros” na pandemia e destacou a importância da parceria com o país asiático para obtenção de vacinas e insumos.

“Foi zero sua interferência como chanceler. A despeito do senhor, a China fez negócio com Butantan. Até abril, 85% das vacinas no braço dos brasileiros era da parceria com a China”.

Ela solicitou que as correspondências sobre vacinas tramitadas entre MRE e Ministérios de Economia, da Ciência e Tecnologia, da Saúde, Casa Civil e desses ministros ao presidente Bolsonaro sejam encaminhadas à CPI.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos