Experiência BBB: conheça casas de vidro no Brasil e veja quanto custa se hospedar nelas

A casa de vidro do "Big Brother Brasil 2023" acabou nesta quinta-feira (dia 12), após quatro dias de exposição de quatro concorrentes ao jogo em um shopping da Zona Oeste do Rio. A experiência é o sonho de muita gente, pela oportunidade de entrar no reality show mais famoso do país, e também instiga a curiosidade de como é viver envolto por paredes transparentes.

Para os interessados, o EXTRA mostra que é possível viver algo similar por alguns dias. Há casas de vidro com diárias a partir de R$ 389 no Brasil.

A maioria das construções mescla metal e madeira com vidro, tanto pelo custo quanto para preservar certa privacidade em alguns cômodos, como banheiro e quarto. Mas também há projetos com teto e piso de vidro.

— É possível construir casas integralmente de vidro, porém a um custo exorbitante, devido à necessidade da espessura generosa e do tratamento do material, aliado ao custo de ferragens de união das peças de excelente qualidade. Usualmente, as "casas de vidro" são estruturadas por elementos metálicos ou madeira que formam um um esqueleto de sustentação, tornando viável que receba fechamentos integrais em vidro — explica Carlos Murdoch, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Veiga de Almeida.

As casas de vidro encontradas pelo EXTRA ficam principalmente em regiões mais frias do país, pois segundo o professor o vidro retém calor:

— Construir uma casa de vidro deve obedecer a uma lógica de decisões, como: é adequada ao clima? O que ganho com a vista do terreno compensa o investimento, ou uma "janela grande" resolveria? Quanto gastarei em ar-condicionado para tornar o ambiente confortável? Como farei a manutenção periódica (limpeza e vedação)? Preciso de privacidade? Tenho vizinhos próximos? Preciso de isolamento acústico? Enfim, tem hora e lugar para se construir com o vidro.

Chalé em Brumadinho, Minas Gerais

A casa não é inteiramente de vidro, mas tem um cômodo com duas paredes de vidro, que deixam quem está dentro da sala totalmente exposto e com visão para o que está fora. A diária para seis hóspedes, com piscina, custa R$ 859. Veja aqui.

Casa com vista para o mar em Ubatuba, São Paulo

Todas as paredes ao redor da casa são de vidro: inclusivo no quarto e no banheiro. Se o hóspede buscar ver o céu de dentro do endereço, no entanto, não vai conseguir, já que o teto é tradicional. O custo é de R$ 3.857 por dia para oito hóspedes. Veja aqui.

Chalé em Campos do Jordão, São Paulo

A estrutura retangular mistura madeira e vidro como materiais principais, reservando mais privacidade a alguns ambientes e deixando outros mais expostos. Quatro hóspedes pagam R$ 389 por dia no chalé com vista para as montanhas e jacuzzi privativa. Veja aqui.

Cabana do Sossego em Bairro Mellos, Minas Gerais

Todos os cômodos da casa têm ao menos uma parede de vidro que deixa a vista transparente para o lado de fora, do pé ao teto. Há alguns recursos arquitetônicos que preservam um pouco da privacidade dos hóspedes, como uma pia posicionada de forma a esconder a privada. Duas pessoas pagam R$ 790 por dia. Veja aqui.

Cabana em Campos do Jordão, São Paulo

Cinco hóspedes pagam R$ 624, por dia, pela experiência de ficar na casa com duas paredes de vidro voltadas ao exterior. Os quartos, no entanto, parecem não ter o interior exposto. Veja aqui.

Cabana na floresta em Alfredo Wagner, Santa Catariana

Com teto e paredes de vidro (exceto uma), a estrutura se resume a um quarto com uma cama no meio de uma floresta. Do lado de fora, outro estrutura, dessa vez de madeira, limita um banheiro. Também há uma banheira do lado de fora da casa, totalmente integrada ao meio ambiente. Podem se hospedar duas pessoas, por R$ 420 a diária. Veja aqui.

Bangalô em Gonçalves, Minas Gerais

Anexo a uma estrutura mais tradicional, o bangalô tem três das quatro paredes de vidro. Cabem três hóspedes, que pagam R$ 881 por diária. Veja aqui.

Chalé Acima das Nuvens em Campos do Jordão, São Paulo

Para três hóspedes, a pequena casa têm cômodos totalmente reservados e outros com paredes transparentes. Para quem quer se hospedar, o custo é de R$ 500 por diária. Veja aqui.

Chalé em Campos do Jordão, São Paulo

O chalé tem paredes de vidro até para quem está no quarto ver o lado de fora, mas a dona garante que a área vazia preserva a intimidade do hóspede. O vidro, em outro ambiente, também deixa a vista livre para a piscina. O custo da diária para dois hóspedes é de R$ 997. Veja aqui.

Casa com vista em Ubatuba, São Paulo

O teto arredondado não é de vidro. Com essa exceção, todas as outras paredes voltadas ao exterior são transparentes. No interior, no entanto, alguns cômodos são mais íntimos. Há ainda piscina de borda infinita. Para oito hóspedes, a estadia sai por R$ 2.100. Veja aqui.

Casa de luxo com vista em Ilhabela, São Paulo

Oito hóspedes pagam R$ 2.226 por diária na casa de dois andares com teto e paredes de vidro, assim como o piso do segundo andar. Além de ficar perto da praia, a casa tem piscina privativa com borda infiita. Veja aqui.

Casa de frente para o mar em Florianópolis, Santa Catarina

Quatro hóspedes pagam R$ 960 pela diária na casa de aço e vidro. A parte térrea conta com cama, chuveiro e privada. Na parte (de vidro) superior, são duas camas de solteiro, um banheiro e cozinha completa. Veja aqui.

Casa no Vidigal, Rio de Janeiro

A casa com paredes e teto de vidro também tem piscina com borda infinita. O preço da diária pode ser consultado via mensagem para o link exposto no perfil do Instagram @casadevidrovidigal.