Explicação de Pazuello sobre Manaus vai influenciar na instalação ou não de CPI da Covid-19, diz Pacheco

Julia Lindner
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta sexta-feira que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deve esclarecer ao Parlamento quais motivos levaram à crise do sistema de saúde em Manaus (AM) em janeiro deste ano. Segundo Pacheco, a explicação servirá como base para a decisão de autorizar ou não a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apurar ações e possíveis omissões do governo federal durante a pandemia da Covid-19.

Ontem, o plenário do Senado aprovou, por unanimidade, um convite para que o ministro da Saúde explique as "dificuldades" enfrentadas pelo Brasil para imunizar a população contra o novo coronavírus e as medidas adotadas pelo governo.

- Não há uma especificação no requerimento de quais são os pormenores dessa apuração, mas é evidente que é preciso identificar e ouvir do ministro por quais motivos, por exemplo, a cidade de Manaus e o Amazonas enfrenta problemas tão graves em razão de uma segunda onda do coronavírus - disse Pacheco durante visita à Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Em conversa com jornalistas, o presidente do Senado também afirmou que o colapso do sistema de saúde em Manaus "evidentemente" é um ponto a ser tratado com Pazuello, mas avalia que há "outros tantos" a serem abordados pelos congressistas:

- Lá (no Amazonas), houve um ápice muito grande no início da pandemia, depois foi reduzindo a incidência e depois voltou com a perplexidade de não se ter condições mínimas de atender as pessoas. Esse é um ponto evidentemente que será tratado, além de outros tantos que nós todos estamos acompanhando dessa pandemia e que precisa ser esclarecido.

Segundo Pacheco, a ida de Pazuello, aprovada em plenário esta semana, pode influenciar na decisão sobre a abertura ou da CPI apresentada para avaliar a conduta do governo federal na pandemia. O requerimento, apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) com o apoio de 30 senadores, está na mesa da Presidência da Casa e tem prazo para ser avaliado.

- A questão da CPI é outra questão que eventualmente, a partir da estada dele no Senado Federal, isso vai contribuir inclusive para a avaliação sobre a necessidade ou não de uma CPI - declarou.