Explicamos o caso do Felipe, Airbnb e sexo grupal para você não ficar de fora da zoeira

Redação Notícias
·5 minuto de leitura
Segundo ela, foi possível ver homens e mulheres pelados
Segundo ela, foi possível ver homens e mulheres pelados "em tudo que é lugar" (Foto: Reprodução)
  • Uma suposta conversa entre uma proprietária de um imóvel no Airbnb e um locatário viralizou nas redes sociais nesta quarta-feira (14)

  • Verônica e Felipe aparecem discutindo: ela afirma ter descoberto que ele fez sexo grupal pela casa — que seria proíbido; ele nega que feriu qualquer regra da plataforma

  • Usuários das redes sociais 'zoaram' a situação e ficou o questionamento: pode ou não pode fazer sexo no Airbnb?

Uma suposta conversa entre a proprietária de um imóvel no Airbnb — serviço de hospedagens online — e um locatário viralizou nas redes sociais nesta quarta-feira (14). Nos áudios, Verônica e Felipe aparecem discutindo. Ela afirma ter visto pelas câmeras ele fazendo sexo grupal pela casa; ele nega que feriu qualquer regra da plataforma.

"Você tem que ser claro na sua proposta. Pergunta se na casa da para trepar. Você tem que perguntar para o anfitrião se tem um espaço que dá para trepar os amigos que você vai convidar com as mulheres que você vai convidar", diz Verônica no suspoto áudio.

Leia também

Após os 30 segundos da mesagem, a proprietária do imóvel sobe o tom de voz, em um claro sinal de irritação com Felipe. Segundo ela, foi possível ver homens e mulheres pelados "em tudo que é lugar".

"Você não pode locar uma casa para você, seu churrasco de aniversário com seus amigos, que eram 15, e de repente, fazer da casa da pessoa um bordel, uma suruba”, diz Verônica.

Felipe responde em tom de ironia que não há erro dos dois lados e que "houve uma falta de clareza", mas apenas da parte de Verônica. Ele disse ainda que ela "deveria ter colocado no título do seu anúncio" que não podia ser realizado sexo grupal.

Por fim, ele ainda debocha da situação, alegando que a dona do imóvel foi ingênua. "Eu, um jovem, vou convidar 15 amigos para comemorar o meu aniversario, pagar uma fortuna na diária e não vou comer ninguém, em que mundo você vive". 

Vídeos do sexo grupal no WhatsApp

Os vídeos da suposta da orgia circularam pelo WhatsApp. De acordo com relatos de usuários que encontraram o material, é possível ver aglomeração de homens e mulheres e música eletrônica tocando no último volume.

Já no Twitter, usuários se questionavam sobre as regras das plataformas de aluguel, em relação tanto a relações sexuais quanto ao uso de câmeras, por exemplo. Isso porque, segundo relato da Verônica, ela teria descoberto a aventura pelas imagens de segurança — imagina o susto.

"Se pode ou não pode [trepar] não sei, mas minha anfitriã trepou muito e obviamente sem avisar né, só acordei de noite com os sons e passei por ela pelada dormindo com o boy pra ir embora no dia seguinte", escreveu um usuário.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Um outro tuiteiro disse que recebeu os áudios e os vídeos no celular e ainda ofendeu a suposta dona do imóvel. 

"Meu amigo mandou os vídeos dessa suruba no whats e os áudios, mas a minha opinião é que se você pagou pela merda da casa, você pode transar sim! Ela surtou porque no mínimo essa velha tá sem transar e quem não transa tem raiva de quem transa", disse.

Não foram só comentários "zoando" o ocorrido, porém, que inundaram as redes sociais durante toda quarta-feira. 

"Os dois descumpriram uma regra principal do #airbnb que é: a comunicação deve ser feita apenas pela plataforma do airbnb, não é permitido a troca de mensagens por outros aplicativos (como eles estão fazendo aí nessa tour)", escreveu uma pessoa no Twitter.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em uma sequência de publicações, chamado de thread, uma usuária, que disse trabalhar na plataforma, tentou explicar as regras do Airbnb.

"Pode suruba no Airbnb? Aí, jovem gafanhoto, o terreno fica mais pantanoso. A rigor, já que pode transar, não importa a configuração da transa. O problema aí é COMO o negócio ocorre. Acompanha comigo o contexto", disse na primeira publicação.

Aglomeração na pandemia

De acordo com ela, os termos e condições da plataforma listam o que é ou não passível de punição (para hóspedes e para anfitriões). Isso inclui: perturbação da ordem, danos à propriedade e tudo que tem nela, quebra das regras da casa, quebra das regras de hospedagem, quebra das regras sanitárias.

"E onde a suruba entra nisso? Amigo, se você não sabe que suruba é bagunçada, barulhenta, frequentemente causa uma grande quantidade de dano e sujeira, de que planeta você veio? Além disso, anfitriões mais preparados (como eu) já proíbem festas sexuais nas Regras da Casa", afirmou.

Além disso, ela e outros usuários se manifestaram lembrando que a aglomeração, em épocas de pandemia, também gera multa.

"Desde 2020, o Airbnb proíbe festas e aglomerações em QUALQUER PROPRIEDADE, de QUALQUER tipo, no MUNDO INTEIRO por causa da pandemia de COVID-19. Então Filipe não apenas é um escroto imundo, Filipe é um filho da puta roteador de COVID".

Procurado, o Airbnb informou que está apurando o possível caso mencionado pela reportagem, destacou que possui regras e Termos de Serviço e que anfitriões ou hóspedes que desrespeitem as políticas de uso estão sujeitos às medidas cabíveis.