Explorada sexualmente, jovem de 16 processa Snapchat, Google e Apple

Snapchat, Google e Apple são processados por menina de 16 anos explorada sexualmente
Snapchat, Google e Apple são processados por menina de 16 anos explorada sexualmente
  • Através do Snapchat, a jovem foi coagida por um fuzileiro naval a compartilhar fotos sem roupa;

  • Os advogados da menina acusam o Snap de adotar uma abordagem reativa para proteger os adolescentes do abuso;

  • O fuzileiro usou um aplicativo que estava presente no mercado da Apple e Google para compartilhar as fotos anonimamente.

Uma menina de 16 anos e sua mãe entraram com uma ação coletiva em um tribunal federal da Califórnia nesta semana contra Snap, Apple e Google, alegando que as plataformas não protegem usuários adolescentes de "danos graves" e da disseminação de abuso sexual infantil.

No processo, os advogados da menina, identificada como LW, argumentam que a Snap, empresa controladora do Snapchat, adota uma abordagem reativa para proteger os adolescentes do abuso, exigindo que as crianças denunciem seu próprio abuso depois que ele ocorrer.

“As alegações neste caso não são contra o agressor adulto – são contra três grandes empresas de tecnologia que permitem que ele e outros cometam esses crimes”, escreveram os advogados no processo

No caso de LW, um homem adulto, identificado no processo como BP, começou a solicitar fotos dela nua quando ela tinha 12 anos. Ele salvou suas fotos e vídeos do Snapchat e os compartilhou com outras pessoas, disse o processo, aberto na segunda-feira na Califórnia.

BP, que era um fuzileiro naval da ativa, reconheceu que usou o Snapchat porque sabia que seus bate-papos desapareceriam, afirma o processo. Ele foi condenado em um tribunal militar no ano passado por acusações relacionadas a pornografia infantil e abuso sexual após uma investigação criminal.

O abuso e aliciamento no centro do processo aconteceu ao longo de mais de dois anos, enquanto a vítima tinha entre 12 e 16 anos. O homem também tinha como alvo "muitas outras crianças" vítimas, de acordo com o processo.

A Apple e o Google foram nomeados no processo por permitir o aplicativo Chitter em seus respectivos mercados. A BP usou o aplicativo para divulgar fotos e vídeos da vítima, de acordo com o processo. Os advogados disseram que as empresas estão "permitindo, recomendando e direcionando os usuários para o Chitter" e lucrando com as compras no aplicativo.

Chitter permite que dois usuários aleatórios se conectem e compartilhem mensagens, fotos e vídeos anonimamente. O aplicativo não é nomeado como réu no processo. Os advogados argumentaram que o aplicativo ganhou reputação por atrair usuários que desejam divulgar o CSAM.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos