Atentados no Afeganistão matam 13 pessoas

·2 minuto de leitura
Forças de segurança isolaram o local onde um microônibus foi atingido por uma explosão que matou pelo menos quatro pessoas, segundo a polícia afegã, em 3 de junho de 2021, em Cabul

Dois atentados, um contra um ônibus de passageiros e outro contra uma delegacia de polícia, causaram pelo menos 13 mortos neste fim de semana no Afeganistão, onde os insurgentes estão aumentando sua pressão sobre as autoridades.

Esses dois novos ataques, os últimos de uma série contra civis e forças de segurança, ocorreram enquanto o enviado dos Estados Unidos para o Afeganistão realizava uma visita ao país.

Pelo menos 11 civis, incluindo três crianças, morreram em um atentado a um ônibus no oeste do Afeganistão, segundo informaram autoridades locais.

O ataque ocorreu no sábado à noite na província de Baghdis, na fronteira com o Turcomenistão, de acordo com o governador local, Hessamuddin Shams, que reportou a morte de três crianças e oito adultos (quatro mulheres e quatro homens) no ataque.

O balanço de vítimas foi confirmado por outra autoridade provincial, Khodadad Tayeb, que destacou que, com a explosão, o ônibus caiu em um barranco nesta província montanhosa.

O governador de Bagdis acusou o Talibã de esconder uma bomba na beira da estrada que explodiu na passagem do ônibus, em um contexto de grande incerteza e violência, gerada pela retirada acelerada das forças americanas do país.

O segundo atentado, com carro-bomba neste domingo contra uma delegacia de Balkh (norte), matou dois policiais e fez cerca de 15 feridos, incluindo civis.

Estes novos ataques ocorrem uma semana após outros quatro atentados a microônibus de passageiros nos bairros xiitas de Cabul, que fizeram uma dúzia de mortos.

Dois desses ataques foram reivindicados pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), cujos combatentes - presentes, segundo a ONU, no leste e norte do país - visam especificamente a minoria xiita hazara.

Ao mesmo tempo, o Talibã está intensificando suas ofensivas contra posições do Exército afegão em muitas províncias, incluindo em torno de Cabul.

No sábado, os insurgentes anunciaram que haviam "conquistado o distrito de Deh Yak", na província de Ghazni, cerca de 150 quilômetros ao sul da capital afegã.

As autoridades, porém, afirmaram que simplesmente "realocaram" suas forças para outra área.

Ghazni faz parte de um eixo que conecta Cabul a Kandahar, a grande província e capital do sul do país, reduto do Talibã.

Os insurgentes ocuparam brevemente a cidade de Ghazni em 2018, mas foram expulsos pelas forças de ordem afegãs.

Após o acordo de retirada assinado em fevereiro de 2020 entre o Talibã e os Estados Unidos, o presidente Joe Biden ordenou a retirada completa de suas forças antes da data simbólica de 11 de setembro, que este ano marcará o 20º aniversário dos ataques em solo americano.

str-emh-ach/lch/mis/zm/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos