Ministro belga confirma que autor de ataque em Paris era francês

Bruxelas, 21 abr (EFE).- O ministro do Interior da Bélgica, Khan Jambon, afirmou nesta sexta-feira que o autor do ataque ocorrido ontem, em Paris (França), não tinha nacionalidade belga, mas sim francesa, porém, não quis se pronunciar sobre sua possível ligação com cidadãos belgas, por conta das investigações.

"O criminoso morto ontem à noite era francês", afirmou Jambon, em declarações para a emissora pública francesa "RTBF", acrescentando que a possibilidade de haver relação com cidadãos belgas é algo que faz parte da investigação, e, portanto não poderia falar sobre o assunto.

Segundo o ministro, os serviços segredos de Bélgica tinham fichado ao atacante, cuja identidade não foi divulgada por conta da investigação.

Assim como Jambon, o ministro da Justiça belga, Koen Geens, também não confirmou se o terrorista tinha alguma ligação com a Bélgica.

"Por enquanto não temos nenhuma informação sobre um vínculo belga", afirmou Geens.

Além disso, o ministro belga confirmou que os 11 escritórios onde os franceses poderão votar no próximo domingo, na Bélgica, por causa das eleições francesas, terão um dispositivo especial de segurança.

O ataque aconteceu na noite de ontem, na Champs-Élysées, onde um policial foi assassinado e outros dois ficaram feridos pelos tiros de um atacante, que foi morto.

O Ministério do Interior da França afirmou hoje que o homem pelo que França tinha emitido um mandado de prisão, suspeito de ter relações com o atentado, se apresentou em uma delegacia de polícia de Antuérpia, na Bélgica.

O suspeito, Youssouf E.O., estava trabalhando em um posto de gasolina no momento em que aconteceu o ataque em Paris, segundo disse seu advogado.

Na operação realizada em sua residência durante uma investigação relacionada com o terrorismo, foi encontrado um bilhete do trem de alta velocidade Thalys, o que alertou as autoridades francesas. EFE